Política

3 de abril de 2020 08:44

Acordo das Forças Armadas coloca Braga Neto como ‘presidente operacional’

Deliberação dos militares já teria sido comunicada, 'com os devidos cuidados', aos ministros e às principais autoridades dos Três Poderes

↑ O general Walter Souza Braga Netto e o ministro da Defesa, Raul Jungmann, falam sobre a intervenção federal na Segurança Pública no estado do Rio de Janeiro (Foto: Antônio Cruz / Agência Brasil)

O óbvio aconteceu. Oficialmente o general de Exército Braga Neto assumiu o comando do governo Bolsonaro em um cargo que os meios militares estão chamando de Estado-Maior do Planalto.

Segundo o site DefesaNet, porta-voz oficioso do meio militar, não foi uma simples indicação de Bolsonaro, mas resultado de reuniões complexas, um acordo “por cima”, envolvendo ministros e comandantes militares e o próprio Bolsonaro.

Segundo o site, ”sua “missão” busca reduzir a exposição do presidente, deixando-o “democraticamente” (Apud Paulo Guedes) se comportar como se não pertencesse ao seu próprio governo. O general passa a enfeixar as ações do Executivo na crise. Pode, inclusive, contrariar as declarações de Bolsonaro”.

Não apenas isso. “Ocorre após uma semana em que proliferavam ataques e notícias falsas, incluindo de setoristas que cobrem as Forças Armadas, em Brasília, com notícias delirantes sobre crítica dos militares ao governo.
A imprensa ansiosa por uma crise institucional, junto às oligarquias estaduais, mais a oligarquia do Congresso, não é apoiada pelos empresários e especialmente pelo sistema financeiro.
Este brincou no início da crise especulando contra o Real e na Bolsa, porém agora percebe que o risco de um possível crash bancário, pela TOTAL insolvência dos clientes, não pode ser descartado”.

Segundo o site, a frase do Comandante do Exército, general Edson Leal Pujol, de que “talvez seja a missão mais importante da nossa geração”, foi traduzida como a luta contra o COVID-19. “Para os mais atinados, a mensagem foi clara”. Outro sinal, segundo o site, foi a Ordem do Dia alusiva a 31 de março, assinada pelos Ministros da Defesa, Fernando Azevedo, e os três comandantes militares.

A deliberação dos militares já teria sido comunicada, “com os devidos cuidados”, aos ministros e às principais autoridades dos Três Poderes, diz o site. “Pelo menos enquanto a grave situação de crise perdurar, o general será o “presidente operacional” do Brasil.

A reação de Carlos Bolsonaro, em um twitter, foi definida como “estertor de uma situação passada contaminada por trotskistas de direita”.

Ainda segundo o site, Braga Neto tem como seu livro de cabeceira a obra clássica de estratégia militar, “Da Guerra”, de Carl Von Clausewitz.

Este dizia que “a guerra é a continuação da política”. Para Braga Neto, “a política é a continuação da guerra por outros meios” e se aplica à guerra informacional e econômica atual.

Fonte: Jornal GGN / Luis Nassif

Comentários

MAIS NO TH