Política

13 de novembro de 2019 09:34

Bolsonaristas se mantêm aliados mesmo em crise

Se Jair Bolsonaro criar um novo partido, Bebeto e Moreno estarão no mesmo barco

↑ Deputado Cabo Bebeto aguarda apenas a decisão nacional sobre a saída de Jair Bolsonaro do PSL (Foto: Sandro Lima)

A saída do presidente da República, Jair Bolsonaro, do PSL, está cada vez mais próxima de acontecer. Ele já se reuniu com aliados para debaterem a criação de um novo partido, o que deve atrair deputados da ala bolsonarista do PSL e também parlamentares de outros partidos.

Outro fato que faz com que a saída de Jair Bolsonaro venha a se concretizar em breve é a informação dada pelo Jornal Extra (Rio de Janeiro) de que um dos filhos do presidente, o senador Flávio Bolsonaro se desfiliou do PSL. Ele presidia a sigla no estado do Rio de Janeiro e deixou o partido após a crise envolvendo Luciano Bivar e o pai.

A reportagem da Tribuna Independente repercutiu a possível saída de Jair Bolsonaro do PSL com lideranças do partido em Alagoas.

Presidente da legenda no estado, o policial federal Flávio Moreno, que na última eleição disputou o cargo de senador, disse que está aguardando o anúncio de Jair Bolsonaro e se realmente ocorrerá a criação de um novo partido.

“Sou fiel e 100% Bolsonaro, desde antes do processo eleitoral. Desde 2012, estamos nessa jornada pelo Brasil. Sou o maior defensor do governo Bolsonaro no estado, isso se comprova pelas redes sociais e notícias na imprensa. Da mesma forma que existem os propensos a possibilidade de criação de novo partido, existem aqueles que buscam uma reestruturação do PSL e acomodação das forças internas. Temos que aguardar. Sou da pacificação, o PSL foi quem abriu as portas para Bolsonaro, os 52 deputados federais, quatro senadores e três governadores e deputados estaduais eleitos. Todos devemos estar unidos pelo Brasil”.

Sobre as condições dos demais filiados ao PSL em Alagoas e as pré-candidaturas do partido que estão sendo construídas para prefeituras e câmaras visando as eleições do ano que vem, Flávio Moreno pontuou que as chapas com vereadores, vices e prefeitos já estão sendo montadas em 50% dos municípios onde a legenda tem diretórios formados.

“Fui o responsável por montar a chapa em 2018 em Alagoas, aqui Bolsonaro obteve na capital e Estado, os melhores percentuais de votação no Nordeste, percorri mais de 100 carreatas, eventos de campanha e entrevistas em todas as regiões de Alagoas. O partido foi o terceiro mais votado no Estado e com apenas R$ 60 mil do fundo eleitoral. Estamos tranquilos aguardando a decisão nacional. Aos filiados tenho pedido paciência, que mantenham o espírito de união em torno dos ideais liberais conservadores e pró-Bolsonaro”.

Eleito deputado estadual no último pleito, Cabo Bebeto, disse através de sua assessoria de comunicação que o parlamentar apoia e continuará apoiando as decisões do presidente Jair Bolsonaro. E falou ainda que não iria declarar mais nada no momento.

Fusão PSL/DEM

Uma informação que vem circulando há semanas nos bastidores de Brasília é uma possível fusão da ala anti-bolsonarista liderada por Luciano Bivar no PSL, com o Democratas (DEM), que tem como líderes no Congresso, o presidente da Câmara dos Deputados Rodrigo Maia e o presidente do Senado, Davi Alcolumbre.

De acordo com o blog da Andréia Sadi, o PSL aguarda há semanas a saída espontânea da família Bolsonaro do partido para dar prosseguimento a conversas de fusão com o DEM.

Para o presidente do DEM em Alagoas, Thomaz Nonô, não passa de especulação essa informação.

“Nunca ouvi falar disso não. Não tem conversas com o DEM em relação a isso, não que eu saiba, pois se tiver está muito secreto ainda”.

Já o presidente da legenda em Maceió, deputado estadual Davi Maia disse que os boatos são de que Rodrigo Maia quer fundir o DEM com algum partido para conseguir ampliar a base do partido na Câmara.

“O DEM está especulando fusão com Deus e o mundo, né? Do PDT ao PSDB. Eu acho que o Rodrigo Maia está muito agoniado com a sucessão dele e quer ampliar a base do partido que ele controla na Câmara, agora acho que isso seria um tiro no pé, porque da mesma maneira que ele abre uma janela para o povo entrar, ele também abre uma porta para o povo sair, porque quando se faz uma fusão vale para entrar e vale para sair. Então pode ser que ele se perca aí nesse caminho. A boataria é geral de que ele estaria tentando uma fusão com partidos para ampliar a base do Democratas”.

Fonte: Tribuna Indendente / Carlos Victor Costa

Comentários

MAIS NO TH