Política

29 de agosto de 2019 08:48

Tereza Nelma apresenta defesa para não sofrer sanções do PSDB

Partido pretende punir deputada por ter votado contra a aprovação da reforma da Previdência

↑ Tereza Nelma considera que propor cortes salariais é vergonhoso (Foto: Edilson Omena/arquivo)

Após assumir a presidência nacional do Partido da Social Democracia do Brasil – PSDB –, em maio após a convenção nacional do partido, Bruno Araújo, prometeu um partido renovado, mais presente nas questões nacionais, sem indecisões e mais próximo dos anseios da população. Tentando demonstrar que há novos ares no PSDB, enviou através da executiva nacional, um processo ao conselho de ética para punir a deputada federal, Tereza Nelma (PSDB/AL), por ter desobedecido à determinação do partido de votar a favor da reforma da previdência.

Contrariando a executiva nacional, a deputada votou contra a aprovação da reforma da previdência no primeiro turno da votação no dia 12/07. No segundo turno da votação, em 7 de agosto, repetiu a mesma postura, votando contra a aprovação da reforma da previdência.

Em caso de punição pela executiva nacional do PSDB e de acordo com suas diretrizes, a deputada federal poderá sofre sansões como a perda do cargo partidário – hoje Tereza Nelma ocupa a 2ª secretaria nacional do partido –, suspensão de recurso partidário para financiamento eleitoral, negativa de legenda para disputar cargos eleitorais, ou até mesmo, dependo do relatório do Conselho de Ética e do entendimento da executiva nacional, expulsão da deputada federal do PSDB.

A defesa da deputada foi apresentada no dia 23 e cabe agora ao relator do caso, o ex-deputado Raimundo Gomes de Matos (PSDB/CE) encaminhar ao conselho de ética seu parecer em até dez dias. Ao encaminhar o caso da deputada federal Tereza Nelma ao Conselho de Ética, o presidente nacional Bruno Araújo recomendou a destituição de cargos de direção ou de representação partidária.

Em nota, Tereza Nelma afirma que em nenhum momento quis afrontar a direção executiva do partido e que mantém sua postura de representante do povo alagoano e sua liberdade como congressista e cidadã.

“Quando votei não à reforma previdenciária estava exercendo meu direito constitucional de voto e opinião, que não pode ser tolhido. Nesse voto está embutido o compromisso que tenho com todos os excluídos. No Congresso não sou só Tereza Nelma, mas deputada federal e representante do povo de Alagoas e do Brasil. Também não estava infantilmente confrontando o Estatuto do PSDB, que em sua concepção estratégica é social democrata, ou seja, direciona a organização do partido para promover o Estado do Bem Estar Social. Além disso, o próprio Estatuto prevê os casos de exceção ao fechamento de voto na Bancada para aqueles que alegarem previamente seu impedimento de consciência”.

Fonte: Tribuna Independente / Jairo Silva

Comentários

MAIS NO TH