Política

7 de outubro de 2018 12:38

Melquezedeque Farias vota e diz que eleições estão fraudadas por conta da prisão de Lula

Candidato do PCO ao governo de Alagoas disse sobre Bolsonaro que plano econômico deste é 'Brasilcídio'

↑ Melquezedeque (de camisa vermelha) enfrentou a fila para votar (Foto: Carlos Amaral)

O candidato do PCO ao governo de Alagoas, Melquezedeque Farias, votou no final da manhã deste domingo (7) no Colégio Suzel Dantas, no bairro do Tabuleiro dos Martins. Ele afirmou antes de votar que seu partido considera as eleições fraudadas por conta da prisão de Lula enquanto outros candidatos com fichas comprometidas estão concorrendo no pleito.

Melquezedeque citou também os problemas que seu partido teve com o indeferimento de candidaturas e os problemas advindos disto. “Nós tivemos uma das menores estruturas pra concorrer ao pleito e ainda por cima fomos bastante prejudicados por diversos indeferimentos do Luís Vasconcelos Neto, desembargador que está à frente do TRE aqui em Alagoas. Isso prejudicou bastante a gente, além da gente também se sentir prejudicado por uma matéria que foi circulada pela TV Pajuçara que falava que nós estávamos fora das eleições e nós não estávamos fora das eleições. Então isso também atrapalhou a gente porque obrigou a gente a fazer uma campanha para trás. A fazer uma recampanha, conversar com todo mundo novamente”, ressaltou.

O candidato do PCO destacou que o partido atingiu seu objetivo de divulgar suas pautas disse que as eleições estavam fraudadas. “Agora, aquilo que nós conseguimos, que nós queríamos para essa eleição, foi atingido, que é apresentar o partido, com algumas pautas nossas, fazer a defesa da liberdade do nosso presidente Lula. Assim como também a gente fazer a denúncia de que as eleições estão bastante comprometidas. Ao nosso entender elas estão fraudadas devido aos diversos sinais que apresentam essas eleições. Você tem, por exemplo, um prisioneiro político que foi preso sem provas para não concorrer às eleições. Enquanto isso basta ver o debate presidencial que a gente vê que ali mesmo, nós temos pessoas com fichas comprometidas, pessoas com crimes, concorrendo a essas mesmas eleições. Então, a nosso ver, a gente entende isso como reflexo do golpe de estado que nós passamos”, frisou.

Sobre Bolsonaro, Melquezedeque Farias afirmou que a maior discordância do partido não é com os aspectos morais e sim com o plano econômico do candidato do PSL, o qual ele chamou de ‘Brasilcídio’. “Pra começo de conversa, nosso partido tem uma profunda rejeição à candidatura do Bolsonaro por tudo que ela representa de retorno e de atraso, de retorno a um passado sombrio, ruim, maléfico para a população. Mas a principal discordância que nós temos com relação a ele não se trata dos aspectos morais, mas sim do próprio programa econômico dele que nós entendemos como um ‘Brasilcídio’, uma espécie de sabotagem total pra onde o Brasil poderia evoluir e melhorar”, encerrou.

Fonte: Tribuna Hoje / Texto: Bruno Martins e Carlos Amaral

Comentários

MAIS NO TH