Política

4 de julho de 2018 07:47

Na oposição, apenas o Pros topa lançar candidato ao Governo do Estado

Presidente do PSDB diz que nome da vereadora Tereza Nelma não foi cogitado para a disputa

↑ Bruno Toledo evita citar nomes para não haver desgaste de imagem (Foto: Ascom/ALE)

O prefeito Rui Palmeira, que também preside o PSDB no estado, negou ter havido diálogo com a vereadora Tereza Nelma (PSDB) para a disputa pelo Governo de Alagoas no grupo oposicionista liderado pelos tucanos. A afirmação do gestor municipal foi dada nesta terça-feira (3), após especulações de que uma das apostas da legenda estaria direcionada à parlamentar.

Rui disse ainda que o grupo terá um candidato ao governo e que há a possibilidade de recorrer aos outros partidos que compõem o bloco oposicionista (Democratas, Progressistas e Pros) para ter um nome que faça frente à reeleição de Renan Filho (MDB).

No entanto, dos partidos consultados pela reportagem da Tribuna Independente, apenas o Pros, liderado pelo deputado estadual Bruno Toledo se colocou à disposição. Toledo garante que existem, na legenda, nomes qualificados para a disputa.

“Não foi uma pauta trazida diretamente para o Pros. Eu enxergo que o Pros, apesar de não tão grande numericamente, é um partido qualificado de nomes que orgulham a sigla e que tem um histórico e um legado na sociedade de bons feitos. O Pros ainda não foi procurado. Não tivemos uma discussão sobre isso, mas se houver estamos à disposição de dialogar”, justifica Toledo.

Ao confirmar que o partido pode indicar um nome, se for essa a escolha do grupo oposicionista, Bruno Toledo preferiu não citar nomes para não haver desgaste de imagem.

“Não irei especular nomes neste momento. Como não fui procurado ainda para falar quais nomes que integram o partido e interessariam essa frente partidária, não vou adiantar para evitar desgaste de imagem e especulação. Reafirmo que estamos abertos a discutir essa possibilidade”, disse o deputado estadual.

Diferentemente do Pros, o presidente do Democratas, José Thomaz Nonô informou à Tribuna que o partido “está fora disso”, lembrando que foi procurado logo após a decisão do prefeito Rui Palmeira de não disputar o governo.

“Depois da renúncia do Rui entraram em contato e nos fizeram o convite. Estou dizendo do meu nome pessoal. Fora o meu nome, não tem ninguém no DEM que tenha um cacife para disputar o governo. No meu caso é muito fácil de entender. Há quatro anos briguei para ser o candidato, e o Teotonio Vilela [então governador] preferiu fazer o acordo com o Renan. Nessa situação atual, com 120 dias para as eleições é muito difícil você preparar uma candidatura viável. Pode acontecer, pois não acredito que a eleição esteja decidida. Já vi eleições viradas na última hora, mas venho trabalhando há um tempo com a votação de deputado federal e conversando com algumas pessoas. Do DEM, no meu caso pessoal, não cogito ser candidato e nós não temos. Apoiarei o nome que o grupo escolher”, garante Nonô.

A reportagem da Tribuna tentou contato com o presidente estadual do Progressistas (PP), o senador Benedito de Lira, mas não obteve êxito até o fechamento da edição. Diante dessa situação, o presidente da legenda em Maceió, vice-prefeito Marcelo Palmeira, foi procurado, mas se limitou a dizer que em relação a essas discussões estava “meio por fora e que deixava isso para o diretório estadual resolver”.

Fonte: Tribuna Independente / Carlos Victor Costa

Comentários

MAIS NO TH