Política

4 de abril de 2018 07:37

“Candidatura ainda não está definida”, diz Luciano Barbosa

Vice-governador, que também é titular da Seduc, deixa a Secretaria na sexta-feira (6) para estar de acordo com Lei Eleitoral

↑ Luciano Barbosa deixa a Seduc na próxima sexta-feira, dia seis (Foto: Sandro Lima)

Se a candidatura do governador Renan Filho à reeleição é mais que certa, a de seu vice Luciano Barbosa – ambos do MDB –, ainda aguarda definição. Contudo, para garantir a possibilidade de concorrer em outubro deste ano, ele se desincompatibiliza da Secretaria de Estado da Educação (Seduc), na qual ocupa o cargo de secretário, na próxima sexta-feira (6).

“Estamos aguardando as movimentações do cenário político, por isso ainda não está definido nem se serei candidato. Saio da Secretaria para garantir a possibilidade, uma vez que isso é uma exigência da legislação”, explica Luciano Barbosa à Tribuna.

Na manhã de terça-feira (3), uma informação de que o vice-governador teria anunciado candidatura a deputado federal,  em um evento da União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime), circulou em alguns sites de Alagoas, mas isso foi negado pelo vice-governador e titular da Seduc.

“Acho que ocorreu um erro de informação. O que eu disse foi que teria de deixar a Secretaria por conta da impossibilidade de candidatos ocuparem cargos que ordenam despesa, mas não falei nada sobre definição de candidatura”, esclarece o vice-governador.

Luciano Barbosa já foi prefeito de Arapiraca por dois mandatos, de 2005 a 2012; também foi ministro da Integração Nacional, no final do governo de Fernando Henrique Cardoso (PSDB).

MAIS SECRETÁRIOS

Outros secretários do Governo do Estado também devem deixar suas pastas para disputar a eleição. Os nomes já confirmados são Cláudia Petuba (PCdoB), da Secretaria de Esporte, Lazer e Juventude (Selaj); e Régis Cavalcante (PPS), da Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Inovação (Secti).

A reportagem tentou contatá-los para confirmar que dia eles deixam as pastas que comandam, mas até o fechamento desta edição não houve resposta.

 

Fonte: Tribuna Independente / Carlos Amaral

Comentários