Política

30 de janeiro de 2018 08:15

Omar Coêlho anuncia Alfredo Gaspar para o Senado

Ex-presidente da OAB em Alagoas irá concorrer ao Governo do Estado na chapa Podemos/PSL

↑ Omar Coêlho garante que Alfredo Gaspar será candidato ao Senado em sua chapa (Fotos: Sandro Lima)

Advogado e ex-presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) em Alagoas, Omar Coêlho (Podemos) afirma ser candidato ao Governo do Estado e ao seu lado, como nome para o Senado, estará o procurador-geral de Justiça Alfredo Gaspar de Mendonça.

Segundo Omar Coêlho, o chefe do Ministério Público Estadual (MPE) já bateu o martelo e será o senador da chapa, que também conta com o PSL.

“Eu disse ao Alfredo que era candidato ao Senado e ele disse ‘eu também sou’. Então, respondi: aí nós temos uma dificuldade, que só um de nós pode concorrer ao Senado, para aglutinar os votos das pessoas que pensam diferente. Se você está tão determinado assim, você é o senador”, relata Omar Coêlho.

De acordo com o advogado, foi a partir dessa conversa que seu nome foi postulado para concorrer ao Governo do Estado.

“E aí a conversa rumou para a candidatura ao Governo. Se isso vingar realmente, Alfredo vai para o Senado e eu para o Governo”, completa Omar Coêlho.

A reportagem entrou em contato com o procurador-geral de Justiça Alfredo Gaspar de Mendonça e ele negou ter definido sua candidatura pela chapa Podemos/PSL.

“Não, minha pauta e o MP. Isso [candidatura] só aceito falar em abril”, resume Alfredo Gaspar.

Omar Coêlho adianta que conversas com outras personalidades políticas estão em curso ou devem iniciar em breve, como o deputado estadual Rodrigo Cunha (PSDB) e do ex-deputado estadual Judson Cabral (PT).

“Esse grupo só vai adiante porque já existe definição minha e do Alfredo com o Henrique Arruda [PSL]. A vinda dos demais é uma conversa para adiante, que só irá se concretizar em abril, quando das desincompatibilizações”, explica Omar Coêlho.

 

Plataforma se assemelha à de Bolsonaro

 

Montar palanque nos estados influencia fortemente a composição das chapas locais e esse foi um dos fatores que levaram o Podemos de Omar Coêlho a optar por chapa própria em Alagoas.

“O palanque nacional foi uma das dificuldades em compor localmente. O PSDB tem o Alckmin; o governador Renan Filho [MDB] tem o Lula [PT], e como a gente iria montar um palanque para o Álvaro Dias? A meu ver, ele é o candidato, dentre os que estão aí, que melhor pode oferecer algo ao país. O outro ponto é o compromisso que assumi de oferecer à sociedade alagoana algo diferente da política tradicional”, diz Omar Coêlho.

Mesmo assim, uma chapa do Podemos com o PSL teria dois candidatos à Presidência da República, caso a conjuntura não mude até à eleição: Álvaro Dias e Jair Bolsonaro.

Para Omar Coêlho, num primeiro momento isso não é problema.

“No primeiro turno cada um vota em quem deve. A gente quer contar com o apoio do pessoal do PSL que vota no Bolsonaro, até porque a linha que vamos seguir no programa de governo em relação à segurança pública é aquela que o Alfredo exerceu e a que sempre pensei e que se aproxima do discurso do Bolsonaro”, ressalta.

“Se por acaso a gente venha a governar Alagoas, o conselho que a gente dá para bandido é cair fora. Aqui não vai ficar bandido, não”, completa.

Omar Coêlho quase perdeu o comando do Podemos em Alagoas quando o deputado federal Cícero Almeida se filiou ao partido, em 2017.

A legenda também conta com o empresário – e presidente do CSA – Rafael Tenório, que deverá disputar uma das 27 cadeiras para a Assembleia Legislativa Estadual.

Fonte: Tribuna Independente / Carlos Amaral

Comentários

MAIS NO TH