Política

4 de dezembro de 2016 15:36

Manifestantes questionam interesse dos que visam enfraquecer MP e Judiciário

Mobilização foi realizada na manhã deste domingo na orla da capital alagoana

“A quem interessa enfraquecer o Ministério Público e o Poder Judiciário?”, foi esse o questionamento da mobilização ocorrida na manhã desse domingo (04), na orla de Maceió. Milhares de pessoas participaram desse ato demonstrando apoio às instituições que lutam para combater a impunidade e a corrupção. O ato foi uma demonstração de que a sociedade e os representantes dessas e outras instituições não vão ficar calados diante de propostas legislativas que pune a sociedade e quem luta por ela.

Com faixas e cartazes com as mais diversas mensagens em defesa do MP, do Judiciário, de Sérgio Moro e, da operação Lava Jato, bem como com críticas aos parlamentares e recados contra o presidente do Senado Renan Calheiros, a mobilização despertou a atenção da população alagoana e dos turistas que ao verem a causa do ato manifestaram apoio, formando assim uma grande multidão, que cantou e gritou em um só coro. Juntos, os manifestantes cantaram o Hino Nacional Brasileiro e clamaram a mensagem principal de que corruptos não passarão. Juntos, protestaram contra os parlamentares, pediram a expulsão de alguns deles. Juntos, os participantes pediram o apoio de toda a sociedade para vencer mais essa batalha, que mascara corruptos e afeta o povo.

Segundo Adilza Inácio de Freitas, presidente da Associação do Ministério Público de Alagoas (Ampal), os parlamentares que votaram a favor da proposta legislativa visam amordaçar, intimidar e enfraquecer os integrantes do Ministério Público Brasileiro e da Magistratura. De acordo com ela, o que eles não sabem é que essas instituições contam com o apoio do povo e que juntos vão lutar para combater a corrupção e as tentativas de punir quem faz o que é correto, quem age em prol dos brasileiros.

“Não estamos sendo penalizados porque erramos, mas sim porque temos acertado. Os integrantes do bravo Ministério Público e da Magistratura do nosso país têm combatido, de forma eficaz, a corrupção. Os corruptos querem dominar o país, mas nós não podemos permitir! Precisamos unir forças e lutar, a exemplo do que fizemos no momento da PEC 37. O MP e o Poder Judiciário atuam no combate a corrupção e, portanto, em prol do povo. A nossa bancada é a sociedade”, expôs a presidente da Ampal.

O Procurador-geral de Justiça de Alagoas, Sérgio Jucá, em seu pronunciamento durante ato, destacou a luta que a instituição que representa vem travando ao longo dos anos e disse que o destinatário das vitórias alcançadas é o povo.

“Temos tido vitórias históricas contra a impunidade e a prática de atos de improbidade administrativa. O triunfo não é do Ministério Público, mas do povo alagoano, do povo brasileiro, que não suporta a corrupção desenfreada que ocorre em nosso Estado, em nosso País. O Ministério Público tem lutado bravamente durante os anos para punir os corruptos. Não podemos ficar calados. Não podemos permitir que nos calem. Lutamos em prol da sociedade”, declarou o chefe do MP em Alagoas.

O promotor de Justiça José Carlos Castro, coordenador do Fórum de Combate à Corrupção em Alagoas, destacou o trabalho que as instituições vem realizando para cumprir as missões que possuem. Ele afirmou que aprovação da emenda pelo Congresso não espelhou a vontade do povo brasileiro.

“Querem causar uma verdadeira lesão à democracia. Nós não podemos aceitar calados. Temos que falar, bradar em nome dos cidadãos, que serão os atingidos por não terem um Ministério Público e uma magistratura fortes e independentes. O combate a corrupção está ferido de morte. A intenção da Câmara com a aprovação é criminalizar as nossas atuações, quem investiga, quem processa e quem julga os corruptos. Mas não afeta só os juízes e promotores que trabalham diretamente no combate à corrupção, afeta a toda a sociedade”, afirmou.

Representantes do Movimento Brasil, entidade que organizou o ato, também se pronunciaram e enfatizaram a importância dos trabalhados desenvolvidos pelo Ministério Público e Magistratura e que a luta de agora significa garantir um futuro melhor para o país, para as novas gerações.

“Estamos aqui para lutar contra a corrupção e clamar em alto e bom tom que somos a favor da Lava Jato, que precisamos que o Ministério Público e o Poder Judiciário continuem fortes em defesa da sociedade, pois são instituições que vêm combatendo o crime organizado e a corrupção. Essas são as missões que todos nós devemos assumir todos os dias, essas devem ser as missões de quem representa o povo. Vamos juntos assumir essa luta contra os corruptos. Chega de impunidade, chega de corrupção”, destacou Josan Leite Pereira.

“Nossos representantes precisam entender que não suportarmos mais tanta roubalheira e corrupção. Quem precisa ser punido são os corruptos, os ladrões e não quem combate a eles. Estamos lutando não apenas pelas instituições, mas pelo futuro dos nossos filhos e netos”, declarou Leonardo Dias.

Participaram do ato integrantes do Ministério  Público Estadual, Federal e do Trabalho, e também integrantes da Magistratura Estadual, Federal e do Trabalho, do Fórum de Combate à Corrupção, do Movimento Brasil,  população alagoana e turistas.

Fonte: Assessoria

Comentários

MAIS NO TH