Polícia

29 de julho de 2020 09:28

Operação contra fraude em sistema do TJAL é deflagrada

Segundo as investigações, advogados usavam senhas de acesso ao sistema do Tribunal para alterar medidas judiciais

↑ Delegado Thiago Prado comanda operação contra fraude em sistema do TJAL (Foto: Cortesia)

Foi deflagrada na manhã desta quarta-feira (29), a operação Backdoor, cujo objetivo é apurar fraudes no sistema de processos do Tribunal de Justiça de Alagoas (TJAL). Três mandados de busca e apreensão foram expedidos pela 2ª Vara Criminal da Capital para serem cumpridos nas cidades de Arapiraca e Coruripe.

Coordenada pelo delegado Thiago Prado, a investigação aponta que advogados usavam indevidamente senhas de acesso ao sistema do TJAL para alterar decisões de medidas judiciais sigilosas, a exemplo de interceptações telefônicas, mandados de prisão e vazamento de informações para réus que fugiam de escapavam de prisões.

Os mandados de busca e apreensão foram cumpridos por equipes da DERC, ASFIXIA e OPLIT, e acompanhados por de representantes da Ordem dos Advogados do Brasil em Alagoas (OAB).

Segundo as investigações, os suspeitos teriam acessado 91 vezes o sistema do TJAL com senhas de três defensores públicos.

Os mandados foram cumpridos por equipes da DERC, OPLIT e ASFIXIA, e nos escritórios de advocacia tiveram o acompanhamento de representantes da OAB/AL.

A reportagem tentou contato com a assessoria do TJAL, para saber se órgão vai se pronunciar sobre a operação.

Nem a OAB nem o TJAL se manifestaram sobre a operação Backdoor até a publicação desta reportagem.

ATUALIZAÇÃO

Em nota divulgada por volta das 10h30 desta quarta, a OAB informa ainda aguardar mais informações sobre a operação.

“A Ordem dos Advogados do Brasil Seccional Alagoas (OAB-AL) informa que acompanhou, através da Diretoria de Prerrogativas, o desfecho de uma operação da Polícia Civil, realizada na manhã desta quarta-feira (29), cujo alvos foram dois advogados.

A operação cumpriu mandados de busca e apreensão em Arapiraca e Coruripe, que foram realizados sem prisões. A Seccional alagoana aguarda mais informações e continuará acompanhando o caso”.

Também por volta das 10h30, o TJ se manifestou por meio de nota. Abaixo na íntegra:

 

Acerca da Operação “Backdoor”, deflagrada na manhã desta quarta-feira (29), o Tribunal de Justiça de Alagoas esclarece:

  1. Não houve nenhum tipo de invasão ao sistema do TJ (SAJ – Sistema de Automação da Justiça), como descrito em manchete de reportagem;
  2. Não ocorreu nenhuma alteração em conteúdo processual ou algo compatível;
  3. O SAJ possui diversos níveis de auditoria, conseguindo mapear de qual dispositivo a consulta processual via internet foi efetuada. Os acessos suspeitos foram detectados pelo próprio Judiciário de Alagoas;
  4. O presidente do Tribunal de Justiça de Alagoas, Tutmés Airan, manifesta seu total apoio à apuração dos fatos, reconhece que estes são absolutamente graves e inaceitáveis, especialmente por objetivar criar embaraços a investigações processuais. O presidente ressalta ainda a sua confiança no trabalho da 2ª Vara Criminal de Maceió, que autorizou a operação e supervisiona as investigações do caso.

Fonte: Redação

Comentários

MAIS NO TH