Polícia

13 de setembro de 2019 17:51

SSP/AL diz que inteligências atuam de forma integrada e sem interceptação ilegal

Em entrevista, secretário Lima Júnior explica funcionamento da atividade em Alagoas

↑ secretário da Segurança Pública, coronel Lima Júnior (Foto: Sandro Lima / Arquivo)

O secretário da Segurança Pública, coronel Lima Júnior, reafirmou nesta sexta-feira (13), em entrevista a rádios de Maceió, que não há nenhuma interceptação ilegal realizada pelo Estado ou que, sequer, gere qualquer tipo de dúvida. Em virtude da ação ajuizada pelo Ministério Público Federal (MPF) contra o Estado de Alagoas a fim de cessar a realização de interceptações telefônicas pela Segurança Pública, a Secretaria da Segurança Pública (SSP) emitiu nota esclarecendo que todas as interceptações realizadas são solicitadas pelo Ministério Público e delegados de Polícia, e previamente autorizadas pelo Poder Judiciário, seguindo o devido processo legal.

“Foi uma surpresa para a Segurança Pública. Até porque quem trabalha com resultados tão fortes como esses não permite ilegalidade. O que nós temos é uma integração forte das Inteligências, onde se elabora relatórios, que são apresentados às autoridades competentes para fazer as representações do sistema de interceptação telefônica, e todas são autorizadas pela Justiça”, afirmou o secretário.

Lima Júnior disse, ainda, que a Segurança Pública está tranquila em relação à ação e que tem certeza que o Poder Judiciário irá dar o encaminhamento correto à questão. “Nós não iríamos e nem iremos permitir nenhum tipo de ilegalidade que possa vir a manchar um trabalho tão belo e histórico para Alagoas. O grande problema é que Alagoas, anteriormente, tinha o costume de viver no topo das notícias ruins de Segurança Pública e eu falo isso porque sou da Segurança Pública há 30 anos, posso falar com muita tranquilidade e transparência”, lembrou.

O titular da pasta destacou que os resultados expressivos de redução de violência, sem dúvida, passam pelo trabalho realizado pelas agências de Inteligência. “Essa nova Alagoas, nova Maceió, sem dúvida alguma é fruto do trabalho da Inteligência. São os heróis que não aparecem, mas que trabalham muito e trazem grandes resultados. Não é fácil e ninguém tem bola de cristal para saber onde tem uma organização criminosa que vai explodir um banco no interior. Então, isso é um trabalho de inteligência integrado, da Polícia Militar, da Polícia Civil, de outros estados, e que traz grandes resultados para a sociedade alagoana”, avaliou.

Lima Junior disse não ter conhecimento sobre algum tipo de violação de Direitos Humanos. “O que existe aqui é o que existe em vários estados do país, onde as interceptações telefônicas são representadas pelas autoridades competentes. A diferença é que nós somos muito mais integrados, temos hoje a participação de policiais militares não nas representações, nem nas solicitações, mas como analistas de inteligência”, esclareceu.

“Para que a sociedade entenda: para formar um analista de Inteligência se leva anos, então é uma mão de obra extremamente qualificada e restrita. Até pelo assunto de interceptação telefônica ser sigiloso, não podemos colocar todo perfil de policiais no sistema. E a SSP cumpre rigorosamente o que prevê o convênio. Inclusive, temos dentro da própria secretaria parceria de troca de informações com outros órgãos, como a Ressocialização, o Ministério Público Estadual, a Polícia Rodoviária Federal e a Polícia Federal”, finalizou.

Fonte: Ascom SSP

Comentários

MAIS NO TH