Polícia

4 de setembro de 2019 20:10

Bebê encontrado no lixo está em estado grave e caso será investigado pela Polícia Civil

Recém-nascido está internado na Maternidade Escola Santa Mônica

↑ Foto: Cortesia

Um recém-nascido prematuro foi encontrado envolto em um saco plástico dentro de uma lixeira na manhã desta quarta-feira (4) em Maceió. O fato aconteceu no bairro da Ponta Grossa. A criança foi achada por catadores de lixo que trabalhavam no local. O bebê foi encaminhado à Unidade de Pronto Atendimento (UPA) no bairro do Trapiche da Barra. Logo após, a criança – do sexo masculino – foi transferida pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) até à Maternidade Escola Santa Mônica (MESM).

A Santa Mônica enviou nota à imprensa informando que a criança está internada na Unidade de Terapia Intensiva Neonatal (UTIN). O bebê chegou por volta das 8h40 na maternidade e se encontra em estado grave, de acordo com a Santa Mônica. “O recém-nascido chegou hipotérmico, está entubado e os exames já estão sendo realizados. A idade gestacional do bebê é de cerca de 28 semanas, pesa 1,150 kg, sendo considerado prematuro extremo”, diz a nota.

No cartão de identificação do paciente, na Santa Mônica, além do estado hipotérmico da criança – que significa que a temperatura corporal está abaixo do normal – ainda está destacada também a palavra “sangramento”, especificada como “intracraniano e intestinal”.

A assessoria da Maternidade Escola Santa Mônica disse à reportagem da Tribuna que o recém-nascido foi medicado com antibióticos para combater possíveis infecções. “Nesta quinta-feira, sairá o resultado dos exames que foram feitos. Esses antibióticos são procedimento padrão e, além de combaterem infecções, também são para amadurecimento do pulmão [da criança]. Ele está em estado grave e o que agrava ainda mais ainda a situação é a hipotermia”, informou a assessoria da maternidade.

O pediatra e coordenador da UPA do Trapiche, Jordiran Soares, afirmou que a criança, ao chegar à unidade de saúde, precisou passar pelos procedimentos de intubação e cateterismo, para melhor ser medicada no local. “O estado da criança é muito grave. Não sabemos como aconteceu a gestação ou o parto. Não sabemos detalhes do que aconteceu. Tudo isso leva a ser uma situação de risco para a criança”, afirmou o médico.

Investigação

A assessoria da Polícia Civil de Alagoas informou que o caso será apurado pela Delegacia dos Crimes Contra a Criança e Adolescente (DCCCA) e que um inquérito será aberto. “O Conselho Tutelar ficou de ir à Delegacia para levar algumas informações e o fato se torna oficialmente conhecido por abertura de procedimento pela Polícia Civil”, afirmou a assessoria.

Fonte: Reportagem: Rívison Batista

Comentários

MAIS NO TH