Polícia

24 de outubro de 2017 14:49

Corpo encontrado em zona rural não foi decapitado, diz perícia em local de crime

Exame de necropapiloscopia poderá confirmar a identidade da vítima

↑ Os Institutos de Criminalística (IC) e de Medicina Legal (IML) foram ao local para realizar a perícia e recolher o corpo (Foto: Tribuna Hoje / Arquivo)

O corpo encontrado na manhã desta terça-feira, 24, entre os municípios de São Luiz de Quitunde e Flexeiras permanece sem identificação. O mesmo foi recolhido pela equipe do Instituto de Medicina Legal de Maceió.

Responsável pelo exame no local do crime, o perito criminal José Fernando da Silva do Instituto de Criminalística (IC) de Alagoas, explicou que o corpo encontrado estava em estado de putrefação. Ao lado do cadáver, que estava usando apenas uma camisa vermelha, foi encontrado uma calça jeans, e uma cueca.

O perito desmente a informação de que o corpo estava decapitado e mutilado. “Tinha marcas de perfuração por arma de fogo e arma branca, um braço estava fraturado e a cabeça estava desfigurada pelos ferimentos e pela decomposição”, afirmou Fernando.

Os familiares do sargento da PM de Alagoas Célio Cicero que está desaparecido estiveram no local, mas também não conseguiram realizar o reconhecimento do corpo. Ainda segundo o perito, pelos vestígios encontrados, a vítima foi executada em local diverso e desovado no local onde foi encontrado.

A equipe de papiloscopistas do Instituto de Identificação aguarda a chegada do corpo no IML para realizar o exame de necropapiloscopia. O exame consiste na comparação das digitais do cadáver com o arquivo civil do Instituto de Identificação.

Fonte: Fonte: Assessoria da Perícia Oficial de Alagoas

Comentários

MAIS NO TH