Polícia

22 de novembro de 2016 11:11

Operação combate divulgação de pornografia infantil em Alagoas e mais 15 estados

Alvo da operação no estado é da cidade de São Miguel dos Campos

Atualizada às 12h12

A Polícia Federal cumpriu na manhã desta terça-feira, 22 de novembro, 70 mandados de busca e apreensão e de prisão em 16 estados para combater rede de distribuição de pornografia infantil na chamada Deep Web. Cerca de 300 policiais federais cumprem as ordens judiciais nos estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Espírito Santo, Bahia, Alagoas, Pernambuco, Paraíba, Rio Grande do Norte, Ceará, Maranhão, Pará e Amazonas.

Em Alagoas, a PF do Rio Grande do Sul divulgou apenas que o suspeito de envolvimento com o crime é da cidade de São Miguel dos Campos. A Superintendência da PF em Alagoas informou através de sua assessoria de comunicação que uma CPU foi apreendida no Estado.

O delegado da PF em Alagoas, Marco Antônio Gomes, disse que ocorreu o cumprimento de apenas um mandado de busca. “Não houve prisão porque não tinha mandado. Mas foram apreendidos materiais de informática e vão ser submetidos a uma perícia para ver o que podemos encontrar e robustecer as provas que já existem contra essa pessoa”, pontuou.

A segunda fase da Operação Darknet investiga a participação de 67 pessoas na troca e na distribuição de fotos e vídeos com conteúdo pornográfico envolvendo crianças e adolescentes. Durante as investigações da Operação Darknet II, a Polícia Federal antecipou o cumprimento de sete ordens judiciais para evitar o possível abuso sexual de crianças (Paraná, Distrito Federal e Rio de Janeiro).

Mais de 300 policiais federais integram a segunda fase da ação. São investigadas 67 pessoas suspeitas de trocarem e distribuírem fotos e vídeos com conteúdo pornográfico envolvendo crianças e adolescentes.

Em Pernambuco, um universitário foi preso sob suspeita de pedofilia na internet. No Pará, um suspeito de envolvimento em uma rede de distribuição de pornografia infantil na internet foi preso em flagrante. Na Paraíba, uma pessoa foi presa em flagrante durante o cumprimento de um mandado de busca e apreensão em João Pessoa.

Desde a primeira fase da Operação Darknet (2014) a Polícia Federal desenvolve metodologia de investigação e ferramentas para identificar usuários da Dark Web, considerado um meio seguro de divulgação de conteúdos variados de forma anônima. A arquitetura desse ambiente impossibilita a identificação do ponto de acesso (IP), ocultando o real usuário que acessa a rede. Poucas polícias no mundo obtiveram êxito em investigações na Dark Web, como o FBI, a Scotland Yard e a Polícia Federal Australiana.

Fonte: Tribuna Hoje com Ascom / PF

Comentários

MAIS NO TH