Mundo

9 de agosto de 2020 13:06

Nova Zelândia completa cem dias sem transmissão de coronavírus

A vida dos neozelandeses voltou ao normal, mas as autoridades estão preocupadas que as pessoas agora se recusam a fazer os testes e deixaram de usar o aplicativo de rastreamento de contato do governo.

↑ Foto de 14 de maio mostra medida de restrição em aeroporto na Nova Zelândia (Foto: Mark Baker/Arquivo AP Photo)

A Nova Zelândia completou cem dias sem transmissão doméstica do coronavírus neste domingo (9), mas o governo do país fez avisos para a população porque há risco de reaparecimento do Sars-Cov-2, como aconteceu no Vietnã e na Austrália.

O país de 5 milhões de habitantes é um dos mais seguros do mundo para evitar a Covid-19.

A vida dos neozelandeses voltou ao normal, mas as autoridades estão preocupadas que as pessoas agora se recusam a fazer os testes e deixaram de usar o aplicativo de rastreamento de contato do governo. Até mesmo ignoram regras de higiene para prevenção da transmissão.

“Chegar a cem dias sem transmissão comunitária é uma marca significativa, mas mão podemos ser complacentes”, disse Ashley Bloomfield, do departamento de Saúde.

“Nós vimos em outros países a rapidez que o vírus pode re-emergir e se espalhar em locais onde ele estava sob controle, e precisamos estar preparados para impedir futuros casos na Nova Zelândia.”

Há, atualmente, 23 casos ativos de pessoas que estão isoladas e 1.219 casos totais.

Ressurgimento

O Vietnã, que passou três meses sem detectar nenhuma transmissão doméstica, agora está correndo para controlar um novo surto em Danang.

A segunda maior cidade da vizinha Austrália, Melbourne, está em um bloqueio de seis semanas devido a um aumento nos casos. A segunda onda de casos no município foi, em grande parte, resultado de falhas na quarentena.

“Para países como Austrália e Nova Zelândia, a fonte de tais surtos é provavelmente o isolamento controlado e as instalações de quarentena, devido ao grande número de pessoas detidas e aos múltiplos turnos de funcionários envolvidos no cuidado deles”, disse Michael Baker, professor doutora em saúde pública pela Universidade de Otago.

Houve casos de retorno de neozelandeses que escaparam da quarentena e outros deslizes de segurança.

A Nova Zelândia aumentou na semana passada os testes em instalações de quarentena e clínicas e começou a trabalhar em tecnologia para rastrear pessoas usando a tecnologia Bluetooth.

A primeira-ministra Jacinda Ardern deu início à sua campanha de reeleição no sábado, chamando-a de “eleição Covid”.

Mas um ressurgimento de casos devido ao cansaço de Covid poderia desencadear uma reação contra ela e dar à oposição uma chance de voltar à disputa eleitoral.

Fonte: Bem Estar

Comentários

MAIS NO TH