Mundo

26 de janeiro de 2018 15:13

Cheia do Rio Sena deixa Paris em estado de alerta laranja

Cheia do rio, no entanto, não alcançará os temidos 6,10 m registrados em 2016, segundo as previsões

↑ A capital francesa está hoje em alerta laranja – o terceiro de quatro níveis – devido aos riscos de inundação do Rio Sena (Foto: Ian Langsdon / EFE)

A Câmara Municipal de Paris mantém alerta frente a possíveis danos provocados pelas inundações próximo ao Rio Sena, que nesta sexta-feira alcançou 5,63 metros (m). A cheia do rio, no entanto, não alcançará os temidos 6,10 m registrados em 2016, segundo as previsões. As informações são da EFE.

Ainda que a chuva continue sobre a capital francesa e regiões próximas, espera-se que o nível máximo de enchente previsto para o fim de semana seja de 5,80 m a 6 m.

A Câmara Municipal mantém contato com os serviços de transporte, de água e de calefação da cidade, entre outros, para “limitar o impacto desta situação na vida cotidiana” dos parisienses, afirmou o órgão em um comunicado.

O Sena, cujo nível sobe a cada dia, transbordou em alguns pontos e por isso permanecem fechados dez túneis e estradas, vários parques e estabelecimentos públicos e linhas de trem com estações muito perto do rio, que permanecerão inacessíveis pelo menos até 31 de janeiro.

Paris Rua inundada em Grand Morin, na região leste da capital francesa (Yoan Valat/EFE/direitos reservados)

Rua inundada em Grand Morin, na região leste da capital francesa (Foto: Yoan Valat / EFE)

A cidade está hoje em “alerta laranja”, o terceiro de quatro níveis, devido aos riscos de inundação que se estendem por toda a região de Île-de-France, onde bairros próximos ao leito do rio foram evacuados de forma preventiva.

Segundo o serviço meteorológico Météo France, a “excepcional” quantidade de chuva registrada entre 1º de dezembro e 21 de janeiro em Paris foi o dobro da normal.

A cheia do Sena desta semana lembra as inundações que ocorreram em maio e junho de 2016, que provocaram a morte de duas pessoas e prejuízos no valor de 1 bilhão de euros na região de Paris.

Comentários

MAIS NO TH