Interior

27 de novembro de 2021 09:29

Moveleiros querem transformar rejeitos em objetos decorativos

Profissionais de Arapiraca têm o apoio da Ufal, UFMG, Sebrae, Senai e BNB para implantar tecnologia Ligno

↑ Projeto foi apresentado em reunião no Centro Administrativo Municipal; moveleiros de Arapiraca querem transformar pó da madeira em objetos decorativos e de utilidade doméstica, como vasos, bandejas, porta-copos, luminárias (destaque) (Fotos: Davi Salsa e Reprodução UFMG)

Com o apoio da Escola de Arquitetura da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Universidade Federal de Alagoas (Ufal), Sebrae/AL, Senai/AL, Banco do Nordeste (BNB) e Prefeitura de Arapiraca e Governo de Alagoas, os empresários do setor moveleiro querem transformar o rejeitos da produção, a exemplo do pó de madeira, para a criação de luminárias, bandejas, vasos, porta-copos, entre outros objetos de decoração e de utilidades domésticas.

O município será o primeiro no Brasil a utilizar a tecnologia Ligno, desenvolvida pela UFMG.

Segundo o coordenador do projeto, professor Glaucinei Rodrigues, a mistura com as sobras de produção é colocada em uma prensa e todo o material é transformado em produto, sem que haja necessidade da usinagem e corte.

Rodrigues esteve, nesta semana, em Arapiraca, onde apresentou o projeto durante reunião no Centro Administrativo Municipal.

Além do prefeito Luciano Barbosa, o empresário do setor moveleiro Sóstenes Leite, responsável pela vinda do professor-pesquisador a Alagoas, também participou da reunião juntamente com outro empresário moveleiro Luiz Sandes e representantes do Sebrae/AL, Senai/AL, e a secretária municipal de Desenvolvimento Econômico e Turismo, Rosa Lira e equipe.

A proposta do grupo de moveleiros, tendo à frente o empresário Sóstenes Leite, é adotar a tecnologia para fomentar a geração de empregos e renda a partir da reutilização sustentável dos resíduos de madeira.

Estimativas do setor apontam que são descartadas, todos os meses, mais de dez toneladas de pó de madeira e outras sobras da produção de móveis em Arapiraca.

“Com essa tecnologia, seremos capazes de transformar o pó em produtos de alto valor agregado e, com isso, gerarmos mais empregos e renda no município”, frisou o empresário.

A secretária de Desenvolvimento Econômico e Turismo, Rosa Lira, disse que a prefeitura dará total apoio à iniciativa.

Polo de Madeira da região terá papel importante no projeto

A existência do Polo de Madeira e Móveis Nascimento Leão, localizado às margens da rodovia AL-220, na comunidade Lagoa do Capim, na zona rural de Arapiraca, terá um papel importante no projeto.

Cedido no ano de 2007, na primeira gestão do prefeito Luciano Barbosa, o terreno com mais de 96 mil metros quadrados de área foi repassado pelo município ao governo estadual, que inaugurou o espaço no ano de 2013 para fortalecer a indústria e o comércio de móveis no Agreste alagoano.

Com cerca de 96 mil m², o espaço foi dividido em lotes, cada um medindo em média 1,2 mil metros quadrados, incluindo pavimentação, drenagem de águas pluviais, terraplanagem e infraestrutura elétrica, entre outras intervenções para atender às demandas dos empresários do setor moveleiro de Arapiraca e região.

Fonte: Tribuna Independente / Texto: Davi Salsa – Sucursal Arapiraca

Comentários

MAIS NO TH