Interior

24 de novembro de 2020 18:10

Vazamento de litros de melaço atinge Rio Jequiá e morte de peixes é registrada

Reservatório pertence à Usina Porto Rico, localizada em Campo Alegre,

↑ Registro feito na tarde de segunda-feira no local do vazamento (Foto: Divulgação)

No início da madrugada de segunda-feira (23), um tanque de melaço se rompeu na Usina Porto Rico, localizada no município de Campo Alegre, interior de Alagoas. O reservatório continha volume de 100 mil litros e estima-se que de 10 a 15% da substância chegou a atingir rios, como o Rio Jequiá, através de uma galeria pluvial. A causa do incidente ainda está sendo investigada pelos órgãos ambientais. A Secretaria de Meio Ambiente de Jequiá da Praia confirmou que já ocorreu o registro de morte de peixes.

O Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) realizou vistoria na planta industrial e confirmou que o acidente foi registrado por volta de 1h30 de segunda. O vazamento foi contido em parte, porém existe o risco de chuvas levarem mais melaço para o corpo hídrico.

Ainda de acordo com o Ibama, o restante do material ficou espalhado pelo solo e parte foi drenada para uma lagoa de decantação, que foi bombeada para canais de irrigação.

A usina realizou a coleta de amostra de água em dois pontos no Rio Jequiá, nas localidades da Igrejinha da Usina Sinimbú e na Vila Operária na Usina Sinimbú, por volta das 16 horas de segunda-feira e identificou alterações na coloração da água por conta do melaço. O ponto mais distante afetado foi localizado na Fazenda Prata.

(Foto: Divulgação)

Como medida, foi aumentada a vazão do rio em uma barragem à montante da usina, em torno de 20%, para que o poder de diluição fosse aumentado. Nesta terça-feira (24), os pontos de monitoramento foram aumentados e foi confirmada a mortandade de peixes no Rio Jequiá, segundo informou à imprensa a secretária de Meio Ambiente de Jequiá da Praia, Luana Spotorno. O consumo dos peixes atingidos deve ser evitado.

Os procedimentos administrativos para autuação da usina estão sendo realizados pelos órgãos responsáveis.
O Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) iria realizar coleta de água nas redondezas da usina e na própria usina, porém até o fechamento desta matéria não havia respondido ao contato da reportagem do Tribuna Hoje.

A Secretaria Municipal de Meio Ambiente de Jequiá da Praia também iria fazer a coleta, juntamente com o ICMBio, de água no povoado Parurais com amostras de peixe para que possam ser realizadas análises que determinem a tomada das medidas cabíveis para o caso.

Foi aberto processo no Ibama, com a Ordem de Emergência e o Comunicado de Ocorrência de Acidente Ambiental.

Usina Porto Rico

Em nota oficial divulgada nesta terça-feira (24), a Usina Porto Rico fez alguns esclarecimentos. A empresa divulgou que atua há mais de 40 anos gerando mais de 4 mil empregos diretos e indireto, além de renda para a região de Campo Alegre e municípios vizinhos. “A Industrial Porto Rico é uma das poucas usinas de Alagoas que vem conseguindo se manter firme com a crise que assola ao setor sucroenergético (‘sucroalcooleiro’) de Alagoas ao longo da última década; e tudo isso graças ao cuidado de manter investimentos tanto na sustentabilidade ambiental quanto no desenvolvimento social das regiões em que atua; tudo, evidentemente, em razão do compromisso social que sempre caracterizou a condução dos seus negócios”, diz trecho do comunicado.

(Foto: Divulgação)

O informe diz também que o vazamento aconteceu como um “enorme susto” e que não ocorreram vítimas acidentais nem fatais. A usina relatou ainda que “por iniciativa própria, entrou em contato com os Órgãos Ambientais para narrar o ocorrido, a fim de que, em conjunto, pudessem averiguar a existência (ou não) de danos ambientais; e, acaso existentes, as medidas que precisam ser tomadas”.

A empresa alega ter tomado todas as atitudes para conter ou minimizar os danos que pudessem ocorrer após o vazamento e que vai seguir mais vigilante para que eventuais danos sejam evitados. “Assim, a Industrial Porto Rico conta com o apoio daqueles envolvidos nessa relação, e permanecerá seguindo da forma mais esclarecedora e transparente, com a consciência do importante papel que desempenha nessa difícil fase que se faz preciso
ultrapassar para atingir sucesso nos caminhos para o futuro”, encerra o comunicado, que foi assinado por Carlos José Monteiro, superintendente operacional, e Átila Machado Jr., advogado.

Fonte: Tribuna Hoje

Comentários

MAIS NO TH