Interior

1 de abril de 2020 16:29

Empresa segue com medidas para minimizar efeito da chuva na captação e tratamento da água

Objetivo é preservar o sistema como um todo e garantir que a qualidade da água fornecida à população seja mantida com o mesmo padrão de excelência

↑ Cenário tem dificultado o tratamento da água captada e tratada pela Agreste Saneamento e entregue à Casal (Foto: Assessoria)

A Agreste Saneamento segue adotando medidas emergenciais para controlar a qualidade da água captada na bacia do Rio São Francisco. O intenso volume das chuvas recentes e o rompimento de barragem que afetou o rio Ipanema tem contribuído para o aumento de vazão do São Francisco em Alagoas. Para se ter uma ideia, esta é a primeira vez desde o início da operação que há uma ocorrência desta magnitude.

O aumento da vazão traz, além da água, muitas impurezas e partículas em suspensão, o que é denominado tecnicamente como aumento na turbidez de água, e isto impacta diretamente na captação do recurso para o consumo humano.

O cenário tem dificultado o tratamento da água captada e tratada pela Agreste Saneamento e entregue à Companhia de Saneamento de Alagoas (Casal) para distribuição em dez municípios alagoanos, beneficiando mais de 400 mil pessoas.

Diante disso, medidas técnicas e operacionais foram adotadas para evitar danos ao processo de captação e tratamento.
De acordo com o diretor operacional da Agreste Saneamento, Sérgio Bovo, a empresa tem realizado acompanhamento ininterrupto nos sistemas de tratamento, em Arapiraca e São Brás.

“A quantidade de chuva em Santana do Ipanema tem causado transtornos na região, somados aos das chuvas ocorridas nas nascentes do Rio São Francisco. Esse cenário provocou uma alteração na qualidade da água. Isso impossibilita o tratamento em alguns momentos do dia. A situação vem sendo acompanhada pela Agreste Saneamento de perto, minuto a minuto. E estamos trabalhando para disponibilizar o maior volume de água possível, enquanto esse fenômeno não se estabiliza”.

As medidas adotadas como a paralisação temporária para limpeza e recirculação de água e controle de fluxo, por exemplo, têm o objetivo de preservar o sistema como um todo e garantir que a qualidade da água fornecida à população seja adequada.

“Este contratempo é passageiro, o controle deve ocorrer nos próximos dias. Estamos acompanhando e trabalhando ao máximo e, assim que possível, a situação será normalizada”, detalha Sérgio.

Fonte: Assessoria

Comentários

MAIS NO TH