Interior

28 de março de 2020 08:09

Setor de hotelaria pede: “não cancelem, remarquem”

Prefeituras paralisadas pelo coronavírus também aderem à campanha

↑ (Foto: Kaio Fragoso / Agência Alagoas)

Preocupados com a perda total de faturamento, dependendo de quanto tempo permanecerão fechados e a manutenção dos empregos, os hoteleiros do Litoral Norte de Alagoas, diante da crise provocada pelo novo coronavírus, aderiram, juntamente com as prefeituras, que dependem também, em boa parte de sua arrecadações do turismo, a campanha “Não Cancele, Remarque” que já tinha sendo usada nacionalmente pela Associação Brasileira das Agências de Viagem e pelas operadoras de turismo em todo o país.

Em São Miguel dos Milagres e Maragogi, dois dos principais destinos turísticos da Costa dos Corais, que somam mais de 60 por cento de toda a hotelaria do Litoral Norte, já são praticamente uma semana com todos os empreendimentos fechados, com perdas enormes de faturamento.

Páscoa

Abril, por exemplo, diante do feriado da Páscoa, a rede hoteleira já tinha 100 por cento de suas reservas já garantidas. Diante da incerteza de divisas interestaduais fechadas, voos cancelados e decretos proibindo a abertura das atividades, mais de 20 milhões de reais deixarão de entrar nas contas dos empreendedores, caindo, também a arrecadação das prefeituras diante do não recolhimento do Imposto Sobre Serviço, por exemplo.

Os 20 maiores empreendimentos hoteleiros da Rota Ecológica, que empregam mais de 400 pessoas e são responsáveis indiretamente pela sobrevivência de outras 800 pessoas, aderiram em massa a campanha do “Não cancele, remarque”, apoiados pelas prefeituras municipais.

O empresário Nilo Bulgarelli, da Pousada do Toque, afirmou que “a ideia está sendo para pedir para que os turistas não cancelem seus planos, e sim os adiem para um futuro, que esperamos seja muito próximo. E torcer para que tudo se resolva rápido”, diz.

O Costa dos Corais Convention disse que a indústria do turismo está sendo altamente impactada pelo surto da doença e que, por isso, a necessidade da categoria tomar uma atitude para preservar minimamente a saúde financeira de todas as empresas e de todos os trabalhadores da área. Segundo os hoteleiros, o turismo está vivendo um momento de completa estagnação, em que nenhum destino, seja ele nacional ou internacional, está tendo procura.

Fonte: Tribuna Independente / Texto: Claudio Bulgarelli – Sucursal Região Norte

Comentários

MAIS NO TH