Interior

11 de setembro de 2019 12:24

Artigo do Ifal é aprovado em Congresso Latino-americano de Patologias das Construções

↑ Ifal Palmeira dos Índios (Foto: Ifal Palmeira)

A produção de um artigo científico, como trabalho solicitado em uma disciplina ministrada pelo professor Ricardo Calheiros, rendeu bons frutos para os estudantes de Engenharia Civil, Micael Alcantara e Emerson Maciel. A pesquisa que tem como título: “Identificação, diagnóstico e proposta de tratamento de patologias no Museu Xucurus”, foi aprovada para o Congresso Latino-americano de Patologias das Construções, que será realizado em outubro, no México.

Este é mais um dos trabalhos produzidos do Instituto Federal de Alagoas (Ifal), campus Palmeira dos Índios, que tem reconhecimento internacional. A pesquisa teve como objetivo identificar patologias e fazer propostas de tratamento necessárias para preservação do Museu Xucurus, ponto turístico de Palmeira dos Índios e parte da história da cidade. O prédio é antigo, de uma igreja fundada no século XIX, mas sua inauguração como museu se deu em 1971. Em seu acervo, louças, troféus, pinturas, quadros, fotografias fósseis, armas utilizadas em guerras, entre outros.

É pela importância do local para o município que os alunos decidiram fazer esta análise. “O trabalho foi solicitado para a disciplina de Patologia das Construções. O artigo chamou atenção, pois traz um sistema construtivo de uma outra época e, inclusive, suas patologias se manifestam de formas diferentes por ser um prédio antigo, a exemplo do reboco que está ‘fofo’ e sua forma de recuperação exige que a gente estude outras literaturas para recuperação daquela estrutura”, explica o orientador, Ricardo.

Micael acrescenta que uma das principais dificuldades encontradas por ele e por seu colega, Emerson, foi na identificação das técnicas construtivas utilizadas, a fim de que se determinassem as possíveis causas dos danos causados.

“As patologias presentes na edificação são em sua maioria causadas pela idade da edificação (construída no século XIX por escravos), falta de impermeabilização da fundação, já que não era costume na época. As demais patologias podem ser consertadas com alguns simples reparos e outras com manutenções periódicas”, explana Micael, estudante do 10º período de Engenharia Civil.

Ricardo ressalta que o material produzido pelos alunos pode servir de parâmetro e referencial para outros estudos. “O Museu Xucurus é um espaço riquíssimo e é importante que as pessoas o conheça. Detectamos patologias diferenciadas em comparação à construções atuais. Além disso, o artigo pode servir como estudo, também, de edifícios em situações similares”, conclui.

Fonte: Assessoria

Comentários

MAIS NO TH