Interior

10 de junho de 2019 17:59

Acadêmicos conhecem comunidades quilombolas

Vivência é resultado da parceria entre a Uncisal, Iteral e a Semudh

↑ Objetivo é fortalecer o contato dos acadêmicos e acadêmicas com os povos tradicionais para conhecer suas histórias, costumes e aspectos culturais (Foto: Helciane Angélica Santos Pereira / Ascom Iteral)

O Instituto de Terras e Reforma Agrária de Alagoas (Iteral) por meio da assessoria técnica dos núcleos quilombolas e indígenas, tem sido um grande aliado no desenvolvimento e valorização das comunidades remanescentes de quilombo. Atualmente, o Estado de Alagoas possui 70 comunidades reconhecidas e certificadas pela Fundação Cultural Palmares (FCP), órgão vinculado ao Ministério da Cidadania.

Com a execução do Programa de Extensão “Cidadania, Equidade e Saúde” (CEUS) da Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas (Uncisal), em parceria com o Iteral e a Secretaria da Mulher e dos Direitos Humanos (Semudh) busca-se fortalecer o contato dos acadêmicos e acadêmicas com os povos tradicionais para conhecer suas histórias, costumes e aspectos culturais; além de contribuir em ações de promoção à saúde.

A primeira vivência ocorreu nas comunidades remanescentes de quilombo Filús e Jussara, ambas situadas no município de Santana do Mundaú. Na primeira visita, os estudantes conheceram uma peculiaridade em Alagoas, a comunidade Filús possui vários casos de quilombolas com albinismo, que precisam de um atendimento especial de saúde, inclusive, recebem do Governo Estadual o protetor solar para prevenir o câncer de pele.

Durante uma roda de conversa com os quilombolas, o grupo apresentou informações sobre a planta moringa e a necessidade de incluí-la na merenda escolar e nas refeições das famílias, já que é rica em nutrientes, possui propriedades medicinais e ainda ajuda a controlar a hipertensão arterial e diabetes. Também foram discutidos a importância da identidade cultural e pertencimento; empoderamento feminino; combate da violência contra a mulher e a Lei Maria da Penha.

Na comunidade Jussara, o grupo teve a oportunidade de degustar o almoço preparado pelas mulheres quilombolas com alimentos totalmente agroecológicos, além da galinha de capoeira e o peixe pescado no próprio açude. Também conferiram a produção de beiju, tapioca e pé de moleque; e o belo artesanato com a fibra da bananeira, cujas peças (jogo americano, descanso de copo, marca página, porta retrato, esteiras, etc) são comercializadas em várias feiras e exposições turísticas.

“Com essas vivências queremos contribuir para uma formação mais social e humanitária dos acadêmicos. A proposta da próxima vivência, é conhecer a comunidade quilombola Serra das Viúvas em Água Branca, que é uma referência na produção de cestarias, luminárias, itens de decoração e outras peças com a palha, cipó e a fibra do Ouricuri; além de ser uma atração do turismo étnico”, destacou Leone Silva, assessora técnica dos núcleos quilombolas e indígenas do Iteral.

Programa CEUS

De acordo com a coordenadora Sandra Bomfim, o Programa de Extensão “Cidadania, Equidade e Saúde” (CEUS) enaltece a formação social e é subdividido em quatro projetos: 1. Educação ambiental e saúde; 2. Direitos Humanos; 3. Capoeira; 4. Saúde, alteridade e liberdade.

“A proposta da extensão é aprender com a comunidade e saber de que forma a Universidade pode contribuir, aliando pesquisa, atividade de campo e criação de planos para essas populações. Estamos no primeiro ano do programa e os alunos participantes ao concluir terão 800 horas no currículo”, citou Bomfim.

 “Com o projeto extensionista a Universidade sai dos seus muros e vai até a população, os alunos conhecem a realidade e trocam conhecimentos. E a gente só cresce com essas experiências”, destacou Alanne Carolayne Loureiro Lino, de 21 anos, graduanda do curso de Medicina.

Comunidades quilombolas

De acordo com o decreto federal 6.040 de 2007, povos tradicionais são aqueles que possuem modo de viver ligado ao meio ambiente em que vivem, e uma cultura específica, como os caboclos, caiçaras, extrativistas, indígenas, jangadeiros, pescadores, quilombolas, ribeirinhos, ciganos, e seringueiros.

Fonte: Ascom Iteral / Texto: Helciane Angélica Santos Pereira

Comentários

MAIS NO TH