Interior

26 de outubro de 2017 07:40

Moradores protestam em Porto de Pedras

Fechamento de estrada que dá acesso à praia interessa a grandes empresários

Moradores dos povoados Lage e Patacho, em Porto de Pedras, na Rota Ecológica no Litoral Norte de Alagoas, denunciam novamente uma tentativa de fechamento da estrada vicinal que liga os dois povoados pela parte interna do coqueiral, nas proximidades da praia.

Eles alegam que a estrada, que já existe há mais de 90 anos, é a única forma para se chegar de um povoado a outro, especialmente para pescadores, marisqueiros, tiradores de coco, além de outras pessoas que evitam passar pela rodovia.

Há uma semana, o um dos proprietários de terreno na área deu início a colocação de colunas ao longo de mais de 200 metros para a construção de um muro que fecharia a estrada vicinal. Moradores rapidamente se movimentaram e denunciaram o caso à Prefeitura de Porto de Pedras.

O prefeito de Porto de Pedras, Henrique Vilela (PSDB), ao saber do fato, usou as redes sociais para garantir a população que não permitirá que a construção do muro tenha continuidade.

“Vale esclarecer que a prefeitura está atenta a construção desse muro e já estamos tomando todas as medidas legais necessárias para evitar que sua conclusão venha impedir os acessos às nossas praias. Temos que agir com inteligência e dentro da lei. Trata-se de uma área de Marinha, com uma estrada centenária que nenhum particular pode fechar. Portanto, como assumido por mim durante a campanha, os acessos às nossas praias não serão fechados. Esse compromisso eu tenho com a população de Porto de Pedras, porque estamos atentos e agradecemos a participação sempre vigilante da cidadania”, afirmou o prefeito.

REINCIDÊNCIA

Não é a primeira vez que esta situação ocorre no município. Em 2014, moradores de Porto de Pedras interditaram a AL-101 Norte, no trecho que corta o povoado Curtume, em um ato organizado pela Colônia de Pesca Z-25 em protesto contra o que classificaram de “privatização” da Praia do Patacho por donos de pousadas e a obstrução dos acessos ao litoral por edificações hoteleiras e particulares.

À época, pescadores e marisqueiras denunciaram que empresários do setor hoteleiro, instalados na área e atraídos pela fama da Praia do Patacho – eleita a terceira mais bonita do Brasil –, e pelo alto custo dos terrenos, planejavam interditar a principal estrada de acesso dos povoados Curtume e Lage ao litoral. A via de chão batido é centenária e possui cerca de três quilômetros.

Uma nova estrada de chão batido foi aberta, ficando a 600 metros de distância da costa marítima. A nova tentativa de fechamento por parte de proprietários de sítios e terrenos está sendo exatamente na antiga estrada de chão batido, ainda usada por moradores e acesso para veículos que levam turistas às praias.

LAMENTO NATIVO

O pescador Domingos dos Santos, que em 2014 participou dos manifestos contrários ao fechamento das vias, mostra-se preocupado com as constantes ameaças de bloqueio das estradas que facilitam a vida da população. Domingos disse à reportagem da Tribuna Independente é preciso tomar providências para que não haja prejuízos aos moradores, principalmente àqueles que vivem da pesca na região.

“Três anos se passaram e quando eles [empresários] pensam que a população já esqueceu de tudo, logo, tentam novamente. Fechar essa estrada é um crime. A Prefeitura de Porto de Pedras precisa tomar providências. O Ministério Público Estadual e Federal também precisam se manifestar”, cobra o pescador Domingos dos Santos.

 

Fonte: Tribuna Independente / Claudio Bulgarelli

Comentários

MAIS NO TH