Esporte

22 de setembro de 2018 11:17

Dia Nacional do Atleta Paralímpico é celebrado em Alagoas

Nomes de destaque em vários esportes colocam o Brasil em posição de igualdade com grandes potências internacionais

↑ Paratleta Claudiney dos Santos esteve no Parque Shopping Maceió esta semana para falar da sua experiência (Foto: COI / Reprodução)

Neste sábado, 22 de setembro, é comemorado o Dia Nacional do Atleta Paralímpico. A data tem o objetivo de homenagear, apoiar e divulgar todo o trabalho dos atletas paraolímpicos brasileiros, além de agir como uma ferramenta de inclusão das pessoas com deficiência.

A escolha desta data é uma homenagem à criação do Comitê Paralímpico Internacional (CPI), que foi fundado em 22 de setembro de 1989, há exatos 29 anos. Oficialmente, o Dia Nacional do Atleta Paralímpico foi instituído a partir do decreto de lei nº 12.622, em 8 de maio de 2012. A data é celebrada em sequência ao Dia Nacional de Luta das Pessoas com Deficiência, em 21 de setembro.

Enquanto patrocinadora da Equipe Brasileira de Paratletismo desde 2015, a Braskem atua como parceira na 4ª Semana da Inclusão realizada pelo Parque Shopping Maceió. A Braskem tem a crença e o propósito de que a química e o plástico ajudam a melhorar a vida das pessoas – no caso dos paratletas, nas próteses e outros materiais que os ajudam a ter mais qualidade de vida e ainda trazer medalhas para o Brasil.

O Brasil é uma das nações com maior representatividade a nível de desporto paralímpico, com excelentes atletas que são referência mundial.

Entre os grandes nomes brasileiros do desporto paraolímpico, pode-se citar Claudiney Batista dos Santos, que conquistou o ouro no lançamento de disco no Rio de Janeiro em 2016, além de ter ganho a medalha prata em Londres no ano de 2012; Rodrigo Parreira, que conquistou a prata no salto em distância no Rio em 2016; Daniel Dias, que é o maior medalhista da natação masculina paralímpica com 24 conquistas (em três Paralimpíadas); Daniel Martins, velocista brasileiro que cravou 47s22 nos 400m da Classe T20 e conquistou o ouro no Rio, entre outros paratletas de destaque.

O paratleta velocista alagoano Yohansson Nascimento também é um vitorioso na sua modalidade. Yohansson conquistou medalha de bronze e de prata em Pequim (2008), ouro e prata em Londres e bronze no Rio.

O paratleta Claudiney Batista dos Santos esteve no Parque Shopping Maceió esta semana para o evento promovido pela Braskem e contou sua trajetória dentro do esporte. “Na minha época, alguém me procurou quando eu estava internado no hospital e me fez o convite para ser paratleta. Hoje, pela visibilidade que o paratletismo ganhou no Brasil, está bem mais fácil se inserir no esporte”, contou.

Claudiney afirma que, no momento, o maior desafio para ele é a convocação para os jogos paralímpicos de Tóquio, em 2020. “Ganhando medalha de ouro no mundial do ano que vem, me credenciarei para Tóquio daqui a dois anos”, declarou.

O conselho que Claudiney Batista deixa para as famílias dos futuros atletas paraolímpicos brasileiros é que os pais deixem as crianças conhecerem suas próprias limitações. “O esporte resgata vidas e me propôs coisas que eu nem imaginava”, afirmou o atleta.

Fonte: Tribuna Independente / Texto: Rívison Batista com assessorias

Comentários