Entretenimento

27 de julho de 2021 17:55

Ator Wentworth Miller, estrela de ‘Prison Break’, revela que é autista

Ator foi diagnosticado com a doença no ano passado.

↑ Foto: Divulgação

O ator Wentworth Miller, conhecido por ter sido o protagonista da série Prison Break, usou as redes sociais e revelou que foi diagnosticado com quadro de autismo durante a pandemia da Covid-19.

Em longo texto publicado, o artista de 49 anos contou que teve um diagnóstico informal, seguido por autodiagnostico, e um diagnóstico formal recebido há cerca de um ano. “Foi um processo longo e cheio de falhas que precisava de atualização. Na minha opinião. Sou um homem de meia-idade…. Digamos que foi um choque. Mas não é uma surpresa”, disse.

“Não sei o suficiente sobre autismo. (Há muito para saber.) No momento, meu trabalho parece estar evoluindo meu entendimento. Reexaminando 5 décadas de experiência vivida por meio de uma nova lente”, continuou o astro de Prison Break, em um trecho do desabafo.

Em 2013, Wentworth Miller se assumiu um homem gay. Conhecido mundialmente pelo papel na série de drama, ele chegou a ser indicado ao Globo de Ouro pelo papel na produção em 2005. O astro também viveu Leonard Snart, o Capitão Frio, do universo DC Comics, nas séries The Flash (2014) e Legends of Tomorrow (2016).

 

Confira o texto do autor:

Como todo mundo, a vida em quarentena tirou coisas de mim.

Mas no silêncio / isolamento, encontrei presentes inesperados.

Este outono marca 1 ano desde que recebi meu diagnóstico informal de autismo. Precedido por um autodiagnóstico. Seguido por um diagnóstico formal.

Foi um processo longo e cheio de falhas que precisavam de atualizações. (…) Sou um homem de meia-idade. Não uma criança de 5 anos.

E (é um “ambos / e”) reconheço que o acesso a um diagnóstico é um privilégio de que muitos não desfrutam.

Digamos que foi um choque. Mas não é uma surpresa.

Há uma narrativa cultural agora familiar (da qual participei) que diz: “A figura pública compartilha A, B e C publicamente, dedica a plataforma a D, E e F.”

Bom para eles. (…)

E (é um “ambos / e”) isso não é necessariamente o que vai acontecer aqui. Não sei o suficiente sobre autismo. (Há muito para saber.) No momento, meu trabalho parece estar evoluindo, no meu entendimento. Reexaminando 5 décadas de experiência vivida por meio de uma nova lente.

Isso levará tempo.

Enquanto isso, não quero correr o risco de ser, de repente, uma voz alta e mal informada na sala. A comunidade #autistic (isso eu sei) historicamente tem sido falada. Não desejo causar danos adicionais. Apenas para levantar minha mão, diga: “Estou aqui. Estive (sem perceber).”

Se alguém estiver interessado em se aprofundar em #autismo + #neurodiversidade, Vou apontar para as inúmeras pessoas que compartilham conteúdos atenciosos e inspiradores no Instagram, TikTok … Revelando a terminologia. Adicionando nuance. Lutando contra o estigma.

Esses criadores (alguns bem jovens) falam sobre as questões relevantes com mais conhecimento / fluência do que eu. (Eles também me ensinaram.)

Essa é a extensão do que estou inclinado a compartilhar.

Oh – isso não é algo que eu mudaria. Não. Eu considero – considerei –  imediatamente que ser autista é fundamental para quem eu sou. A tudo que consegui / articulei.

Oh – também quero dizer às muitas (muitas) pessoas que, consciente ou inconscientemente, me deram aquele pedaço extra de graça + espaço ao longo dos anos, me permitiram mover-me pelo mundo de uma forma que fizesse sentido para mim, fosse ou não fez sentido para eles … obrigado.

E para aqueles que fizeram uma escolha diferente … bem. As pessoas se revelarão.

Outro presente.

WM

 

 

Fonte: Nerdsite/Observatório dos famosos

Comentários

MAIS NO TH