Entretenimento

9 de fevereiro de 2019 01:29

Vida e legado de Mandela são lembrados em exibição em Londres

Exibição interativa faz uma jornada pela vida de Mandela, incluindo sua infância no interior do Cabo Oriental, seu encarceramento de 27 anos e o fim do apartheid

↑ Nelson Mandela (Foto: Reprodução)

Para um homem que passou quase três décadas na prisão, a passagem do tempo sem dúvida foi importante para Nelson Mandela.

Então talvez faça sentido que uma exibição sobre sua vida e seu legado, inaugurada em Londres nesta sexta-feira, conte com seu relógio de pulso, que sempre era mantido no horário da África do Sul quando ele viajava o mundo como primeiro presidente negro do país.

A exibição interativa faz uma jornada pela vida de Mandela, incluindo sua infância no interior do Cabo Oriental, seu encarceramento de 27 anos e o fim do apartheid, que o levou a se tornar presidente em 1994. Mandela morreu em 2013, aos 95 anos de idade.

A mostra tem filmagens inéditas e mais de 150 artefatos, como roupas, pôsteres de campanha e documentos de viagem, que foram emprestados da família do ganhador do prêmio Nobel da Paz e de museus e arquivos de todo o globo.

“Meu avô, durante seus anos presidenciais, ele usava um relógio, um relógio Philippe Patek, e disponibilizei este relógio porque ele me deu esse relógio e acho que por ele ser uma pessoa tão comprometida e sempre pontual”, disse seu neto Mandla Mandela à Reuters.

“Mesmo quando ele viajava ao exterior, o relógio continuava no horário sul-africano, o que nós da família achávamos hilário, mas esse relógio também está exposto aqui”.

Londres é a primeira cidade a sediar a mostra itinerante “Mandela: A Exposição Oficial” antes de ela ser instalada permanentemente em Mvezo, o berço do líder.

“É responsabilidade da nossa geração ter a certeza de que registramos a história para as gerações futuras entenderem o caráter e entenderem a conquista humana gloriosa de Nelson Mandela”, disse Zelda La Grange, assessora presidencial pessoal e curadora convidada da exibição.

Fonte: Reuters

Comentários

MAIS NO TH