Educação

28 de setembro de 2021 10:14

Pequena notável: Pinacoteca da Ufal faz 40 anos de dedicação às artes visuais

Criada inicialmente com a proposta de ser uma galeria, seu funcionamento inicial se deu no subsolo do Museu Théo Brandão, localizado no bairro do Jaraguá, em Maceió. Em 1988 foi transferida para o Espaço Cultural Universitário, no Centro da Cidade

↑ Foto: Assessoria

Inaugurada em setembro de 1981, a Pinacoteca Universitária é um importante equipamento cultural da Universidade Federal de Alagoas (Ufal). Ao completar quatro décadas de funcionamento, o museu tem sua rotina dedicada às artes visuais e, por isso, coleciona histórias que marcaram as artes plásticas alagoana.

Criada inicialmente com a proposta de ser uma galeria, seu funcionamento inicial se deu no subsolo do Museu Théo Brandão, localizado no bairro do Jaraguá, em Maceió. Em 1988 foi transferida para o Espaço Cultural Universitário, no Centro da Cidade, ocupando atualmente três salões no primeiro andar do prédio. Desde a sua fundação, a Pinacoteca realiza e recebe exposições de artes visuais das mais variadas técnicas e estilos, que vão desde a cultura popular ao contemporâneo, com obras de artistas de Alagoas, do Brasil e do Exterior.

Na década de 1990, após reforma, o equipamento cultural apresentou seu novo direcionamento institucional, com ênfase em arte contemporânea e desde então, tem sido espaço destinado a mostras temporárias, alcançando visibilidade local e nacional.

Destaques

Ao longo das suas quatro décadas, a Pinacoteca da Ufal sediou grandes exposições e foi casa para obras de renomados artistas. Em 1988 aconteceu a exposição Quatro Vozes, que marcou a reabertura do Espaço Cultural. Na ocasião, foram expostas obras dos artistas David Largman, Jadir Freire, Mário Azevedo e Rogério Gomes, então gestor da Pinacoteca.

Em 1999, a exposição Olhar Alagoas: Arte Contemporânea marcou a reabertura definitiva da Pinacoteca Universitária no primeiro andar do Espaço Cultural da Ufal, inaugurando as novas instalações, com amplo espaço expositivo destinado às mostras temporárias. Naquele ano, 15 obras foram doadas ao acervo.

Nos anos 2000 também abrigou grandes exposições. O universo de três mulheres e seu reflexo na arte contemporânea, em 2001, com obras da design de moda Vera Arruda e das artistas plásticas Jeanine Toledo e Daniela Aguilar; além de Barro Oco, no mesmo ano, com obras de Eva Le Campiom. Em 2009 o destaque foi para a exposição Maceiópolis, Maceioca, Maceiótima, do artista Lula Nogueira, com mais de 1,8 mil visitantes. E a exposição Jardim em Suspenso, de Karla Mellanias, em 2017, com quase 1,2 mil visitantes. “Esses números mostram que o povo alagoano gosta e consome cultura. Basta que ela esteja acessível. Por isso a importância da Pinacoteca como um ambiente que ofereça espaço para que nossos artistas e nosso povo se encontrem”, acrescentou a diretora do museu de artes visuais da Ufal.

Enquanto equipamento cultural da Ufal, a Pinacoteca dialoga constantemente com a comunidade universitária. Estudantes de diversos cursos de graduação da Ufal têm contribuído para o funcionamento da Pinacoteca ao longo dos últimos 22 anos. A maioria deles atuou no atendimento ao público, durante a visitação tanto de grupos, como individualmente. A diretora da Pinacoteca avalia que o contato com a arte e com o público contribui para o desenvolvimento dos estudantes tanto como pessoas, como também como profissionais, ampliando as suas percepções e possibilidades de atuação como profissionais.

Mas não só isso, a participação de estudantes se dá também por meio das atividades que os próprios estudantes organizam, a exemplo da exposição fotográfica MEU na moda 2ª edição: Povo Alagoano, fruto dos trabalhos de conclusão de curso da turma de 2015 do curso de Produção de Moda, da Escola Técnica de Artes da Ufal.

Além disso, existem também os editais de extensão como o Proinart, que em 2018 levou aos salões da Pinacoteca a exposição Cidades & Signos: um intercurso pela arte, com a participação de alunos dos cursos de Arquitetura e Urbanismo, Design, Teatro e Direito.

Fonte: Assessoria

Comentários

MAIS NO TH