Educação

23 de setembro de 2019 21:34

Estudantes de Junqueiro conquistam 25 medalhas na Olimpíada Brasileira de Geografia

Escola Estadual Padre Aurélio Góis teve cinco trios medalhistas, sendo um ouro, três pratas e um bronze

↑ Foto: Agência Alagoas

A Escola Estadual Padre Aurélio Góis, de Junqueiro, está em festa. Pelo segundo ano consecutivo, a unidade de ensino teve medalhistas na Olimpíada Brasileira de Geografia (OBG). Este ano, quinze estudantes conquistaram medalhas, os quais foram distribuídos em cinco trios, sendo um de ouro, três pratas e um bronze. Ano passado, apenas uma equipe havia conquistado prata na competição.

A OBG é uma olimpíada científica para escolas públicas e particulares do Brasil e direcionada para estudantes desde o 9° ano do Ensino Fundamental até a 3a série do Ensino Médio, abrangendo os temas de Geografia e das Geociências.

A competição admite equipes, compostas por três estudantes e um professor-coordenador, de uma mesma escola. As provas da OBG são realizadas em quatro fases, sendo três online e uma final presencial: 1ª e 2ª fases com 20 questões objetivas cada e a 3ª com apenas 10 problemas de múltipla escolha.

Na escola, conquistaram medalhas as seguintes equipes: o trio medalhista de ouro, composto pelos estudantes Maria Sabrina Santos, Pedro Henrique Bezerra e Giovana Santos; os trios medalhistas de prata compostos pelos alunos Naelly Palmeira, Fernanda Nemésio e Karolina Figueiredo; Síndel Monielly e as gêmeas Naira Danyelle e Nádja Danyella de Souza e João Matheus Dias, Anderson da Silva e Bruno dos Santos. Já a equipe medalhista de bronze conta com a participação dos estudantes Manoel Macário Neto, João Pedro Souza e Carlison Rodrigues.

Conhecimento a mais – Incentivados pelos professores de Geografia, o casal Juliete dos Santos e Leandro de Oliveira, reconhecidos como grandes mobilizadores desta ação, os estudantes se dizem motivados e apontam os múltiplos benefícios adquiridos por meio da Olimpíada.

“Sempre gostei da disciplina e a motivação dos professores foi um diferencial para participar, ainda mais pelo formato, utilizando a tecnologia de forma eficaz e favorável ao conhecimento”, pontua Maria Sabrina. “O fato de ser ouro foi uma surpresa sensacional”, garante Pedro. “A influência em casa foi fundamental, mas me identifico muito com humanas e quero participar ano que vem da fase presencial”, garante Giovana, que é filha dos professores e que completa o trio medalhista de ouro, todos da 2a série do Ensino Médio e únicos estreantes da OBG.

As demais equipes também destacaram outros pontos positivos.“Acredito que, quando participamos de ações como esta, a gente acaba fortalecendo nosso conhecimento sobre temas da atualidade, o que é excelente, principalmente para a gente que vai fazer o Enem este ano”, declara Naira. “Os professores Juliete e Leandro tiveram papel fundamental nesta conquista”, reconhece Nádja.

Anderson, João Matheus e Bruno comparam as duas últimas edições da Olimpíada. “Houve aumento no grau de dificuldade da prova, que teve um desafio específico em cada fase”, observa João Matheus. “Apesar da maior dificuldade, gostamos muito desta Olimpíada. Foi um grande aprendizado”, compara Anderson. “E um dos assuntos que caíram no Enem ano passado teve relação com o conteúdo da OBG”, lembra Bruno.

Os três medalhistas de bronze também são unânimes aos reconhecer os benefícios. Da competição “Ano passado tivemos questões que nos ajudaram tanto nas atividades da escola, quanto no Enem. O João Pedro acertou três questões do Enem que tinham caído da OBG, então a gente considera esta Olimpíada uma atividade extracurricular e que nos ajuda na escola e no dia a dia também”, garante Manoel.

Orgulho da escola – Feliz com mais um resultado positivo, a gestora geral da Padre Aurélio Góis, Maria Aparecida da Silva Barbosa, relembra algumas conquistas da unidade, que sempre apresenta bons resultados ao longo dos seus quase setenta anos de existência.

“Acreditamos que é por meio da educação que as coisas mudam e a gente passa sempre isto para nossos alunos, motivando-os e acolhendo-os. E a gente vem sim conquistando a transformação da nossa comunidade. É gratificante formarmos tantos profissionais e depois recebê-los de volta como professores, como dentistas, psicólogos, amigos da escola”, avalia a Maria Aparecida.

Fonte: Assessoria

Comentários

MAIS NO TH