Educação

24 de julho de 2019 08:12

Seis novas escolas vão beneficiar 4.600 estudantes em Alagoas 

Governo investe na construção de escolas em todas as regiões do estado

↑ Novas unidades de ensino vão atender 4.680 estudantes Fotos: José Demétrio (Seduc)

O Governo de Alagoas, por meio da Secretaria de Estado da Educação (Seduc), está construindo seis novas escolas, que irão beneficiar 4.680 estudantes nos municípios de Marechal Deodoro, Rio Largo (no Conjunto Jarbas Oiticica), Campo Alegre, Delmiro e Senador Rui Palmeira.

Juntas, as obras somam investimentos da ordem de 24 milhões. No Agreste alagoano, no município de Junqueiro, outra unidade de ensino em construção vai ampliar sua oferta para o ano de 2020.

Com mais de 25 mil habitantes, o município possui apenas uma instituição de ensino médio para atender a juventude local: a Escola Estadual Padre Aurélio Gois.

A nova unidade, localizada no Povoado Retiro, vai suprir a demanda da área rural do município agrestino.

Geração de empregos- De acordo com o responsável técnico, Elliot Veras, e o engenheiro residente Genilvado Barbosa, a obra teve início em maio e contará com a seguinte estrutura: doze salas de aulas, laboratórios, cozinha, pátio coberto, biblioteca, auditório, banheiros e unidades administrativas, além de ginásio poliesportivo. “Estamos trabalhando intensamente, de segunda a sábado”, afirma Genivaldo.

Com uma população predominantemente rural, uma escola mais próxima de casa é vista com bons olhos pelos moradores do Retiro. Além disto, muitos já estão sendo beneficiados desde então, com a oportunidade de empregos, pois toda mão de obra foi contratada na região. Um deles foi Carlos Eduardo Calixto Santos, contratado como ajudante de ferragem.

“Foi muito bom. E agora o pessoal da comunidade não vai ter que sair para ir pra o Centro de Junqueiro, vai ficar por aqui mesmo pelo povoado. Isso beneficia muitas coisas, pois o pessoal tem que sair toda noite para cidade e, agora, não vão precisar mais. Ficar aqui mesmo no povoado, beneficia muito a comunidade”, afirma Carlos.

Futuro – Tanto para quem não teve a oportunidade de frequentar a sala de aula, para quem teve que deixá-la pelo caminho, ou para quem ainda está no início do percurso, a nova escola de Junqueiro é bem-vista e bem-vinda.

Este é o caso da família de Marinita dos Santos. Tendo como principal sustento os benefícios colhidos na roça, herança passada de geração em geração, ela vê no estudo novas perspectivas para o futuro.

Mãe de doze filhos e criada dentro da roça, dona Marinita é analfabeta. Ela sabe o valor dos estudos e se orgulha de ter oportunizado este benefício aos seus herdeiros.

“Tenho 73 anos, viúva, nunca fui à escola, mas desejei. O que não consegui fazer para mim, botei para meus filhos. Onde chegarem, seguram a caneta, agora eu tem que ser no dedo (digital). Esta nova escola vai ser muito boa, para meus netos e bisnetos, todos estudam, graças a Deus”, comemora dona Marinita.

Já seu neto José Manoel Barros, hoje com 13 anos, vislumbra um novo destino. Ele, que pretende se tornar professor de matemática, estuda numa escola municipal no próprio povoado e já faz planos para a nova escola.

“A construção desta escola vai ser muito boa para o meu desenvolvimento no estudo, porque vou passar mais tempo aprendendo coisas que não sei. Gosto de matemática, já participei duas vezes da Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas, a OBMEP, e, este ano, passei para a segunda fase”, revela o estudante José Manoel Barros.

Fonte: Tribuna Hoje / Davi Salsa com assessoria

Comentários

MAIS NO TH