Educação

2 de maio de 2019 20:50

MEC faz corte de 30% do orçamento da Ufal e de 25% no Ifal

Ifal também comunicou, nesta quinta, que sofreu um corte orçamentário de R$ 12,6 milhões

↑ Campus da Ufal em Maceió (Foto: Ascom Ufal)

Nesta quinta-feira (2), a Universidade Federa de Alagoas (Ufal) divulgou nota informando a população sobre o bloqueio orçamentário de R$ 39.576.608,00 determinado pelo Governo Federal. A medida do corte no orçamento foi tomada após a declaração do ministro da Educação, Abraham Weintraub, de que o Ministério da Educação (MEC) cortaria recursos das universidades que não apresentassem desempenho acadêmico esperado.

“Foram efetivados bloqueios nas ações orçamentárias de funcionamento da Universidade, capacitação de servidores, recursos consignados ao hospital veterinário da UFAL e funcionamento da Escola Técnica de Artes (…). Foram bloqueados 30% do orçamento de custeio e 80,3% do orçamento de capital”, afirma a nota da universidade.

O Instituto Federal de Alagoas (Ifal) também comunicou, nesta quinta, que sofreu um corte orçamentário de R$ 12,6 milhões, correspondendo a 25% do orçamento do Instituto.

Confira a nota da Ufal:

Nota acerca do corte orçamentário imposto à Universidade Federal de Alagoas

A Universidade Federal de Alagoas informa que o Governo Federal efetuou o bloqueio orçamentário de R$ 39.576.608,00 (trinta e nove milhões, quinhentos e setenta e oito mil, seiscentos e oito reais) dos recursos de custeio e capital.
 
Foram efetivados bloqueios nas ações orçamentárias de funcionamento da Universidade, capacitação de servidores, recursos consignados ao Hospital veterinário da UFAL e funcionamento da Escola Técnica de Artes. Foram também bloqueadas as emendas parlamentares consignadas à UFAL pela bancada alagoana. Apenas as ações de assistência estudantil não foram afetadas pelo corte.
 
Esse valor representa 36,6% do orçamento de custeio e capital da UFAL que são os recursos utilizados para pagamento das despesas contratuais, água, energia elétrica, bolsas, aquisições de livros carteiras escolares, equipamentos de laboratório, etc. Foram bloqueados 30% do orçamento de custeio e 80,3% do orçamento de capital.
 
Se excluirmos da análise as ações de assistência estudantil, cujas despesas são restritas à assistência dos alunos em vulnerabilidade social (custeio dos alimentos do Restaurante Universitário, pagamento de bolsas), o corte representa 46,9% do orçamento da UFAL.
 
Antes do anúncio deste corte, a UFAL já trabalhava com orçamento aquém das necessidades que uma Universidade que consolida sua expansão, que faz pesquisa de ponta e que se expande para além de sus muros através das atividades de extensão. Neste novo cenário, a situação exige que medidas sejam adotadas para garantir o mínimo funcionamento da Universidade.
 
A UFAL informa que emitirá nota técnica para detalhar a situação apresentada, divulgará medidas de contenção de despesas e pautará na próxima sessão ordinária do Conselho Universitário, dia 06/05, um debate amplo sobre a situação em que a UFAL e as demais Universidades públicas se encontram.
 
A Gestão da UFAL reafirma seu compromisso com a defesa intransigente da recomposição do orçamento da Universidade, que é um patrimônio da sociedade alagoana, ao mesmo tempo em que considera que um país que não investe em educação está fadado aos retrocessos sociais e econômicos.

Fonte: Tribuna Hoje

Comentários

MAIS NO TH