O cargo de secretário-executivo do Ministério da Educação (MEC), o chamado “número dois” da pasta, que estava desocupado nos últimos dias, foi preenchido por Ricardo Machado Vieira, um militar da reserva. Sua nomeação foi publicada na edição desta sexta-feira (29) do Diário Oficial da União.

Desde fevereiro, Vieira era assessor especial da presidência do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE). De acordo com o seu currículo, o novo secretário-executivo é tenente-brigadeiro e já ocupou o posto de chefe do Estado-Maior da Aeronáutica (FAB). Com a nomeação, o  MEC dá mais espaço à ala militar dentro da pasta.

A antecessora de Vieira, Iolene Lima foi dispensada oficialmente do cargo de secretária-executiva na última quinta-feira (28), desde então, a pasta estava sem um “número dois”. Ela foi dispensada  apenas oito dias depois de ter sido anunciada pelo ministro RicardoVélez Rodríguez para o cargo.

O desligamento aconteceu inclusive após a nomeação da ‘número dois’, que havia sido publicada no Diário Oficial da União. Porém, mesmo com as formalidades cumpridas, Iolene ainda não vinha exercendo a função e nem acompanhou o ministro em qualquer compromisso público. Em sua publicação, Iolene ressalta que havia deixado o emprego para “servir ao País” e que foi pega de surpresa quanto à sua demissão

Iolene Lima não foi a primeira escolha do ministro Vélez Rodríguez para substituir Luís Antônio Tozi, que ocupava o cargo de secretário executivo do MEC até o início do mês. O ministro defendeu o nome de Rubens Barreto da Silva, secretário executivo adjunto, mas a indicação foi barrada pelo Planalto.