Economia

8 de dezembro de 2021 09:08

Em Maceió, preço do tomate chega a quase 10 reais

Alta do produto é atribuída, principalmente, às variações climáticas das regiões produtoras

↑ Em alguns supermercados da capital alagoana, o tomate já é vendido ao preço de quase R$ 10,00 (Foto: Sirley Veloso)

Em alguns supermercados da capital alagoana, o tomate já é vendido a quase R$ 10,00. Segundo o presidente da Associação dos Supermercados de Alagoas (ASA), Raimundo Barreto, a alta do preço do fruto é influenciada pelas mudanças de clima nos estados produtores, mas também pode sofrer alteração pelos custos elevados da produção com insumos agrícolas e transporte para escoamento da mercadoria.

Barreto disse ainda que, essa oscilação no preço dos hortifrúti é constante por conta da sazonalidade. Ele tentou tranquilizar o consumidor afirmando, “Um mês atrás o quilo do tomate era R$ 2,00, então aumenta agora, mas daqui a dez quinze dias volta a ter preço lá embaixo”.

A vendedora ambulante Josilane Cavalcante disse que, há dois meses pagava entre R$ 50,00 e R$ 60,00 por uma caixa com 30 quilos de tomate. Atualmente, a comerciante afirmou que paga pela mesma quantidade do fruto R$ 120,00. Portanto, um reajuste de 100%. “Com esse preço está ficando cada vez mais difícil vender o produto. Nossas vendas caíram pela metade”, lamentou Josilane.

Em alguns estabelecimentos e nas feiras livres ainda é possível comprar o produto por um valor que varia entre R$ 4,00 e R$ 6,50. Para a dona de casa, Izaura Maria, a saída tem sido a pesquisa de preços. “Com a alta da inflação temos que pesquisar muito, e quando não temos para onde correr o jeito é diminuir o consumo e fazer substituição”, revelou ela.

O nutricionista Luã David disse que, “o tomate traz muitos benefícios para a saúde, sendo fonte de licopeno, potássio, vitaminas A e C, além de minerais. Portanto, ele acaba sendo um poderoso antioxidante e anti-inflamatório”.

Com a elevação no preço do fruto, surge a necessidade da população em fazer alterações no consumo do produto. David diz que, “apesar de ser de difícil substituição, alguns pratos podem ser modificados com o propósito de onerar menos o bolso do consumidor. É o caso de alguns molhos que podem ficar com a cor parecida e um valor nutricional também muito bom”, afirmou.

Para fugir dos altos preços, ele sugere “a elaboração de um molho branco caseiro, ou a utilização de uma quantidade menor de tomates, fazendo as receitas renderem mais com o uso de outros ingredientes como a cebola e o pimentão que também deixam o prato igualmente saboroso”.

Luã David também recomenda que o consumidor recorra às feiras livres e aos agricultores locais. “Nesses locais é possível a aquisição desses produtos por preços mais acessíveis ao bolso da maioria da população”, afirmou.

Agrotóxico

Apesar dos muitos benefícios do tomate, o fruto é um dos produtos agrícolas mais contaminados pelo uso de agrotóxico, devido a sua vulnerabilidade às pragas de insetos. O Brasil é o décimo produtor mundial de tomates do mundo, sendo a China o primeiro no ranking. Os principais estados produtores são Goiás, São Paulo e Minas gerais.

Em 2018, a produção brasileira de tomate superou quatro milhões de toneladas, com o valor total de produção atingindo os R$ 5 bilhões.

Fonte: Tribuna Independente / Sirley Veloso - colaboradora

Comentários

MAIS NO TH