Economia

14 de abril de 2021 13:34

Pandemia: Crédito do BNB contribui para ampliação do setor de saúde alagoano

Em 2020 e nos dois primeiros meses deste ano, foram mais de R$ 24 milhões destinados a 108 operações de crédito

Análise dos financiamentos do Banco do Nordeste contratados com empresas do setor de saúde alagoano, em 2020 e nos dois primeiros meses deste ano, aponta para mais de R$ 24,6 milhões destinados à modernização e ampliação dos serviços disponibilizados à população, no período da pandemia de covid-19.

Já foram realizadas 108 operações de crédito, que viabilizaram tanto o investimento em obras de construção de novos espaços de atendimento ao público, como na aquisição de insumos e matéria prima, além de equipamentos de alta precisão no diagnóstico de diversas doenças, entre elas a causada pelo novo coronavírus. Do total de recursos, 33% se referem a contratos com clínicas, laboratórios e hospitais no interior do Estado.

Para o superintendente do Banco do Nordeste em Alagoas, Sidinei Reis, “esse crédito tem sido muito importante nesse período em que as empresas de saúde precisam ampliar os serviços e adquirir mais insumos e equipamentos, voltados tanto para os casos de covid-19, como para suprir os demais atendimentos, de modo mais ágil e eficiente”. De acordo com a instituição, no período analisado, a maior parte dos financiamentos (35%) foi voltada para aquisição de matéria prima e insumos do segmento, seguido por aquisição de máquinas e equipamentos (25%), investimento fixo (15%) e crédito emergencial (10%). Este último diz respeito a recursos contratados no ano passado com condições especiais de encargos e prazo de pagamento para o apoio a empresas em dificuldade, em razão da crise sanitária.

O superintendente destaca ainda a interiorização do crédito. Segundo o gestor, o apoio se dá tanto na capital como no interior com importantes investimentos, a exemplo da aquisição de UTIs móveis e aumento da frota de ambulância para empresa que atende todo o Estado, financiamento de tomógrafos em hospital de Coruripe, além de ampliação de estrutura de hospital em Arapiraca, entre outros. Os maiores financiamentos foram realizados pelas unidades do BNB da capital, seguidas por Coruripe e Batalha, ambas com 10% desses recursos, e Maragogi, com 7%.

Modernização

O Hospital Santa Inês, localizado em Coruripe, é exemplo de empresa do segmento apoiada pelo Banco. Recentemente, a empresa financiou um tomógrafo para ampliar o serviço de diagnóstico por imagem e atender à crescente demanda. A tomografia é o principal meio para diagnosticar lesões pulmonares causadas pelo novo coronavírus, segundo o diretor médico do Hospital Santa Inês, Francisco João Carvalho Beltrão, que esclarece também a importância do equipamento para o reconhecimento de outras doenças: “a tomografia é importante para o diagnóstico de doenças abdominais, dos pulmões, sangramento intracraniano e fraturas de coluna” disse.

O médico também destaca a participação do Banco no processo de modernização da empresa: “o BNB já financiou aparelhos de raio-X, dos mais modernos; equipamento de hemodinâmica, e máquinas de oxigênio. Nosso hospital não depende de terceiros para fornecimento de oxigênio aos pacientes. Nesse momento de pandemia, é perceptível a importância desses investimentos”, pontua o gestor.

Já na capital, a MedRadius, especializada em diagnóstico por imagem e medicina nuclear, também tem recorrido ao crédito do Banco do Nordeste para modernização e ampliação de suas instalações, tendo inclusive implantado novo hospital que, além de atender o setor de oncologia, passou a disponibilizar, durante a pandemia, leitos exclusivos para pacientes com covid-19. “Esse Hospital tem prestado enorme serviço para os pacientes acometidos de covid, o que impacta positivamente no atendimento da população por meio de um serviço de alta qualidade”, enfatiza o médico e sócio administrador da empresa, Rui Costa.

Ele acrescenta que em fevereiro realizou novo financiamento para aquisição de um mamógrafo digital “que representa uma evolução na qualidade das imagens produzidas em mamografia. Isto implica em mais precisão no diagnóstico das doenças da mama em particular do câncer de mama. Adquirimos, também um tomógrafo computadorizado, que representa uma evolução particularmente em exames vasculares, a exemplo do estudo das doenças coronarianas”.

Fonte: Ascom BNB

Comentários

MAIS NO TH