Economia

26 de novembro de 2020 16:47

Na primeira semana de operações completas, PIX movimentou R$ 9,3 bilhões no país

Para a Fecomércio, ferramenta traz boas possibilidades aos empresários

↑ Sexta, dia 27 de novembro, a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) promoverá o evento on-line e gratuito (Imagem: Divulgação)

O Banco Central do Brasil (Bacen) divulgou que de 16 a 22 de novembro a quantidade total de PIX foi de 12,2 milhões, gerando um volume financeiro de R$ 9,3 bilhões. Das chaves cadastradas, 79,8 milhões são de pessoas físicas e 3,7 milhões de pessoas jurídicas. Os dados foram apresentados em uma entrevista coletiva transmitida pelo Youtube na última terça-feira (24/11) para falar sobre a primeira semana de operação completa do PIX.

O novo sistema brasileiro de pagamento instantâneo desenvolvido pelo Bacen começou a ser operado de forma restrita em 3 de novembro, mas desde o dia 16 encontra-se disponível para todos os usuários. Para a Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de Alagoas (Fecomércio AL), a ferramenta traz boas possibilidades aos empresários.

Isto porque é um sistema de fácil adesão, bastando criar uma chave de acesso vinculada à conta corrente, poupança ou conta de pagamento pré-pago por meio do aplicativo do banco que a empresa já possui vínculo. Uma das principais vantagens é que o usuário poderá realizar transferências a qualquer hora e em qualquer dia, não havendo mais a problemática convencional de que a transferência só pode ser realizada em dias úteis até às 22h, além de não haver custos, ainda que se realizem muitas transferências no dia.

“Os comerciantes podem passar a receber por meio dessa modalidade, dependendo menos de maquinetas de cartão de crédito/débito, reduzindo custos de transação e ampliando a possibilidade de conceder descontos aos clientes”, observa Felippe Rocha, assessor econômico da Fecomércio. Para que isto aconteça, basta gerar um QR Code da chave PIX do estabelecimento comercial para o qual o consumidor apontará a câmera de seu smartphone, permitindo definir o valor a ser pago e realizar a transferência, que será aprovada em segundos. “Não será mais necessário saber onde a outra pessoa possui conta, basta pedir a chave do PIX e realizar a transferência”, explica o economista.

E como a segurança do sistema bancário, os pagamentos de boletos por meio desta tecnologia possuem liquidez imediata, diferentemente do modo convencional, que demora até dois dias úteis. Assim, os estabelecimentos comerciais poderão fazer pagamentos a seus fornecedores por meio do PIX e, tanto Pessoa Física quanto Pessoa Jurídica, poderão pagar impostos por meio do novo instrumento. Outra vantagem é que não haverá valor mínimo ou máximo para pagamentos ou transferência. “Contudo, as instituições poderão estipular valores limites para evitar fraudes e para evitar lavagem de dinheiro e combater o financiamento ao terrorismo”, avalia Felippe.

Para o presidente da Fecomércio, Gilton Lima, outra grande vantagem para o empresário é poder cadastrar o número de telefone celular e vincular a ele a chave PIX. “Toda ferramenta que venha a otimizar a rotina das empresas é bem-vinda. E quando esta mesma ferramenta não gera custos para implementação, melhor ainda. Hoje em dia realizamos muitas transações bancárias pelo celular e, podendo fazer parte delas com a facilidade do PIX e sem custo, com certeza trará ganhos”, afirma.

Evento

Amanhã, dia 27 de novembro, a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) promoverá o evento on-line e gratuito “PIX e a sua funcionalidade para os negócios”. As inscrições podem ser feitas até o dia 27, pelo link https://bit.ly/3nyoQGp.

Fonte: Ascom Fecomércio/AL

Comentários

MAIS NO TH