Economia

14 de agosto de 2020 17:29

Ibovespa fecha sessão em alta, mas recua na semana com receios fiscais

Volume negociado no pregão nesta sexta-feira somou 28,59 bilhões de reais

↑ Foto: Reprodução

O Ibovespa terminou a sexta-feira no azul, mas acumulando perda na semana, marcada por uma bateria de resultados corporativos e desconforto com o cenário fiscal do país, enquanto, no exterior, não houve avanço sobre medidas de estímulos à economia norte-amerincana afetada pela pandemia de Covid-19.

A safra de balanços trouxe lucros bilionários de JBS e Marfrig no segundo trimestre, assim como desempenho considerado positivo de empresas de ecommerce como Via Varejo e B2W, mas também reiterou o efeito da crise desencadeada pelo coronavírus em shoppings, com brMalls, e nas companhias aéreas, com Azul.

Na próxima semana, os desempenhos trimestrais de empresas como Magazine Luiza (dia 17) e Cogna (dia 20) devem ocupar as atenções, assim como a movimentação de ofertas de ações, que segue intensa no mercado brasileiro.

Ao mesmo tempo, uma debandada no ministério da Economia e declarações divergentes sobre o teto fiscal dadas pelo presidente Jair Bolsonaro trouxeram apreensão sobre a solidez do discurso favorável a reformas, privatização e controle de gastos adotado pelo ministro Paulo Guedes.

No exterior, em meio a dados que continuaram mostrando alguma desaceleração no ritmo de recuperação das economias, os EUA voltaram a encerrar a semana sem um desfecho nas negociações quanto a um novo pacote de estímulos fiscais – possibilidade que vinha respondendo por relevante suporte em Wall Street.

Nesta sexta-feira, o Ibovespa fechou em alta de 0,89%, a 101.353,45 pontos, que não evitou uma perda semanal de 1,38% e recuo no mês de 1,51%. O volume negociado no pregão nesta sexta-feira somou 28,59 bilhões de reais.

No ano, o declínio do Ibovespa alcança 12,36%. Das mínimas de março, porém, o índice contabiliza alta de 64%.

O índice Small Caps subiu 0,98%, a 2.431,75 pontos, na sessão, com perda de 1,04% na semana e de 1,39% no mês; e baixa de 14,40% no acumulado de 2020.

“Foi uma semana de realização. As compras parecem ainda mais concentradas em investidores individuais que têm uma limitação nas suas compras e convicções menos fortes do que investidores estrangeiros, que só vêm saindo da bolsa brasileira ao longo do ano de 2020, e dos institucionais”, observou Eduardo Levy, diretor de Investimentos da Kilima Gestão de Recursos.

“A nossa expectativa é de um mercado relativamente menos volátil, mas com alguma realização (de lucros) contínua ao longo das próximas semanas”, acrescentou.

Fonte: Reuters

Comentários

MAIS NO TH