Economia

5 de dezembro de 2019 17:49

Famílias alagoanas estão entre as que menos gastam com cultura no Brasil

Sistema de Informações e Indicadores Culturais 2007-2018 foi divulgado pelo IBGE

↑ (Foto: Ilustração)

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou, nesta quinta-feira (05), o estudo “Sistema de Informações e Indicadores Culturais 2007-2018”. De acordo com a publicação, em 2017 e 2018 as famílias alagoanas despenderam em média 5,9% do orçamento mensal com a cultura – à frente apenas de Roraima e Piauí, ambos com 5,1% – e abaixo, portanto, tanto da média regional como nacional.

Entre os alagoanos, destacaram-se nos gastos com cultura o serviço de TV por assinatura e internet (63,3%) e a aquisição de eletrodomésticos (14,9%). Já na atividade de cultura, lazer e festas as despesas ficaram na ordem de 9,3%, a mais baixa de toda a região Nordeste.

Na quarta edição, esta atualização do Sistema de Informações e Indicadores Culturais (SIIC) traz cruzamentos de dados de diversas pesquisas do IBGE. A edição revela, por exemplo, o número de organizações, pessoal ocupado e salário médio das pessoas que trabalham com atividades relacionadas à cultura; os gastos das esferas federal, estadual e municipal com Cultura; análise dos gastos das famílias com produtos culturais; análise socioeconômica da população ocupada no setor e o acesso a equipamentos culturais e meios de comunicação por sexo, cor e raça, grupos de idade e nível de instrução. Além disso, pela primeira vez o estudo traz o IPCult – o índice de preços da cultura.

Pessoas ocupadas no setor cultural

Em Alagoas, 35.000 pessoas estavam ocupadas no setor cultural, a maior parte delas no grupo etário de 30 a 49 anos. Em relação ao nível de instrução, a maioria era de médio completo ou equivalente e superior completo ou equivalente. A capital Maceió seguiu o mesmo perfil, com mais pessoas com ensino superior completo ou mais, além de ter apresentado 18 mil pessoas ocupadas no setor cultural.

Traçando uma comparação em relação ao total de pessoas ocupadas em todos os setores, Alagoas é o estado do Nordeste com menor taxa de pessoas ocupadas no setor cultural (3,5%).

Em relação à formalidade ou informalidade no setor cultural, entre as pessoas de 14 anos ou mais de idade em Alagoas, a maior parte (57,6%) encontrava-se na informalidade em 2018. A situação contrastava com a de Maceió, em que 55,7% possuíam ocupação formal.

Acesso a equipamentos culturais e meios de comunicação

Em 2018, 57,3% da população alagoana residia em municípios com museus, 48,5% em municípios com teatro ou casa de espetáculo, 45% em municípios com cinema, 65,8% em municípios com existência de rádio AM e FM e 80,7% em municípios com existência de provedor de internet.

Fonte: Assessoria IBGE/AL / Texto: Caio Lorena

Comentários

MAIS NO TH