Economia

4 de dezembro de 2019 20:49

Dólar fecha em leve queda, de olho nas negociações entre China e Estados Unidos

Nesta quarta-feira, moeda norte-americana caiu 0,08%, vendida a R$ 4,2017

↑ Foto: Reprodução

O dólar fechou em leve queda nesta quarta-feira (4), com as esperanças renovadas sobre um possível acordo comercial entre Estados Unidos e China e dados positivos sobre a produção industrial no Brasil.

A moeda norte-americana caiu 0,08%, vendida a R$ 4,2017. Veja mais cotações. Foi a terceira sessão seguida de queda do dólar, após a moeda ter disparado 5,7% sobre o real no mês de novembro.

Na semana, o dólar tem queda de 0,90%. No acumulado no ano, a moeda já subiu 8,45%.

Neste pregão, o Banco Central vendeu todos os 10 mil contratos de swap cambial reverso todos os US$ 500 milhões em moeda à vista ofertados em leilão.

Acordo comercial

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou nesta quarta-feira que as negociações comerciais com a China estão indo “muito bem”, soando mais positivo do que na terça-feira, quando disse que um acordo comercial poderia ter que esperar até depois das eleições norte-americanas de 2020.

“As discussões estão indo muito bem e vamos ver o que acontece”, disse Trump a repórteres em uma reunião de líderes da Otan perto de Londres.

De acordo com a Bloomberg, EUA e China estão mais perto de concordar com a quantidade de tarifas que seriam revertidas na “fase um” de um pacto comercial.

No dia anterior, Trump disse que o acordo poderia ter que esperar até depois das eleições norte-americanas de novembro de 2020, com um projeto de lei dos EUA protegendo a minoria muçulmana em Xinjiang, na China, aumentando a incerteza.

Bolsonaro nega alta artificial

Na cena doméstica, o presidente Jair Bolsonaro disse nesta quarta que o governo não está “aumentando artificialmente” a cotação do dólar, após afirmação de Trump na segunda-feira (2) de que Brasil e Argentina “têm presidido uma desvalorização maciça de suas moedas”, e que como resposta iria impor sobretaxa às importações de aço e alumínio do Brasil. Em novembro, o real foi a quarta moeda no mundo que mais perdeu valor na comparação com o dólar.

O mercado também repercute nesta quarta a divulgação pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) do resultado da produção industrial, que cresceu 0,8% em outubro na comparação com setembro. Foi o terceiro mês seguido de ganhos e no melhor resultado para o mês em sete anos.

“A produção industrial melhor no Brasil acaba melhorando o otimismo e favorecendo o real”, afirmou à Reuters Alvaro Bandeira, economista-chefe do banco digital Modalmais.

Fonte: G1

Comentários

MAIS NO TH