Economia

5 de setembro de 2019 10:43

Perspectiva da economia brasileira é discutida durante lançamento de livro em Maceió

Um dos convidados é o economista, escritor e palestrante Luiz Alberto Machado, que também lançou seu livro "Viagem pela Economia"

↑ O Corecon-AL, em conjunto com o Sindecon-AL, realizou nesta sexta-feira (6), um café da manhã para seus convidados (Foto: Edilson Omena)

O Conselho Regional dos Economistas Alagoanos (Corecon-AL), em conjunto com o Sindicato dos Economistas (Sindecon-AL) realizou nesta quinta-feira (5), um café da manhã para seus convidados no Hotel Jatiúca, onde reuniu grandes nomes da economia do país.

O evento tem como objetivo reunir economistas de todo o país para debater as perspectivas da economia brasileira. Um dos convidados é o economista, escritor e palestrante Luiz Alberto Machado, que também lançou seu livro “Viagem pela Economia”, sua terceira obra.

Luiz Alberto Machado lançou seu livro “Viagem pela Economia” (Foto: Edilson Omena)

“Nesse momento vemos as perspectivas da economia brasileira nos próximos anos. Vamos ver quais os impactos com as reformas tributárias e da previdência, os impactos positivos e negativos. Costumamos realizar encontros como esse a cada dois meses e reunimos economistas, professores e empresários para discutir o tema”, explicou p presidente do Corecon-AL, Marcos Antônio Moreira Calheiros.

Presidente do Corecon-AL, Marcos Antônio Moreira Calheiros (Foto: Edilson Omena)

Em sua palestre, Luiz Alberto Machado, opinou sobre a Medida Provisória 881. Para ele, a medida simplifica processos para pequenas empresas, estimula o empreendedorismo no País e contribui com a expansão do setor criativo.

“Acredito que quanto mais disseminarmos essa legislação no Brasil, menos peso o Estado terá na geração de emprego, dessa forma, o empreendedor passa a ter a confiança do Estado de que está cumprindo com a lei do seu negócio. Temos que aproveitar o momento positivo, ainda que os números não reflitam nisso, para avançarmos nas reformas.” afirmou Luiz.

Mais conhecida como a MP da Liberdade Econômica, a Medida Provisória 881/2019, aprovada pelo Senado no dia 21 de agosto, traz medidas de desburocratização e simplificação de processos para empresas e empreendedores. Durante a análise no Congresso, foram incorporadas alterações em regras trabalhistas, o que gerou críticas de parlamentares. A aprovação no Senado se deu após acordo para suprimir do texto artigos que acabavam com a restrição ao trabalho nos domingos.

Para o economista Luiz Alberto Machado, as mudanças serão grandes facilitadoras para as pequenas empresas e empreendedores, além de beneficiar os profissionais da área criativa:

“Atualmente temos cada vez mais a participação de produtos intangíveis no mercado, e essa MP é uma verdadeira vitória, pois leva em conta o processo de mudanças que estamos vivendo. A liberdade econômica elimina uma série de travas burocráticas e facilita os processos de quem é ou quer ser empreendedor, quanto menos burocracia tiver, mais valorizado os donos do negócio serão, pois geram mais renda.”

A medida agora deve ser sancionada pelo presidente Jair Bolsonaro e, de acordo com o governo, a MP deve gerar 3,7 milhões de empregos em dez anos.

Fonte: Redação / com Assessoria

Comentários

MAIS NO TH