Economia

18 de julho de 2019 15:11

Melhorias na segurança colocam AL na 3ª posição entre estados mais competitivos do NE

Ao lado da Solidez Fiscal, setor aparece no Ranking de Competitividade entre as maiores exigências das empresas ao decidir se instalar em uma região

↑ Programas como o Ronda no Bairro contribuíram para redução da violência em Maceió (Foto: Kaio Fragoso / Agência Alagoas)

A solidez fiscal de um estado, ou seja, sua eficácia em manter o orçamento em dia e equilibrado sem deixar de promover investimentos para os diferentes setores, tem configurado Alagoas em uma posição estratégica e de destaque diante do mercado de negócios nacional. Contudo, outro fator que gradativamente ganha participação nesta disputa contínua pela liderança da competitividade e atração de novos empreendimentos para uma localidade, sobretudo ligados ao turismo, é o índice das ações de segurança pública.

Enquanto estados do Nordeste como Rio Grande do Norte, Pernambuco e Ceará apresentaram crescimento na taxa de homicídios em 2017, Alagoas conquistou a sexta maior redução do país entre os anos de 2007 e 2017, segundo o Atlas da Violência (2019). Paralelo a este resultado, o principal programa de incentivos fiscal do Estado e um dos mais competitivos do país, o Prodesin, foi modernizado e a partir de 2016 passou a oferecer redução de até 92% sob o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS).

Neste novo movimento de interdependência e sintonia entre os setores ligados a redução de violência e a promoção do desenvolvimento econômico, posicionar-se bem diante do cenário competitivo de mercado se tornou prioridade entre os estados. Alagoas sai na frente em vários setores desta disputa. De acordo com a última avaliação do Ranking de Competitividade (2018), ele ocupa o melhor resultado do país no quesito Solidez Fiscal e subiu sete posições na área de Segurança Pública, garantindo ao Estado a 16ª posição do país e a 3ª do Nordeste no ranking.

O conjunto destas atividades tem aumentado não apenas o nível de mercado em si, mas, principalmente, o grau de exigência das empresas ao analisarem os fatores necessários para se instalar e investir em determinada região. No segmento de turismo, a rede de hotéis Flix – empreendimento incentivado pelo Governo do Estado – optou por Maceió como destino estratégico para expansão das suas atividades, como detalha o diretor do grupo em Alagoas, Thayro Cavalcante.

“A escolha aconteceu naturalmente diante do forte crescimento de toda cadeia do turismo no estado, além do fato de Maceió se tornar e permanecer como um destino muito procurado não só pelos brasileiros, mas pelo público da América do Sul. O apoio do Governo seja em segurança pública, incentivos fiscais, infraestrutura, pontos turísticos, capacitação foi fundamento para decisão de investir nesta região”, explicita o diretor.

Valor agregado

Encabeçado pelo mercado consumidor, logística, infraestrutura, segurança pública e mão de obra qualificada, o diferencial competitivo de um Estado agrega vantagens e benefícios exclusivos a serem ofertados para potenciais clientes, ou neste caso, potenciais investidores.

Para o economista Lucas Sorgato, Alagoas se posiciona, principalmente no segmento turístico, não apenas por meio de seus atrativos naturais, mas pela consolidação de uma base hoteleira e gastronômica consistente e de qualidade aliado a melhorias na redução da violência.

“A importância da segurança pública é inegável para a competitividade. Vemos estados como o Rio de Janeiro passando por situação problemática de violência, que tem afetado não apenas o setor turístico, como a indústria e o mercado de serviços. Fazendo um contraponto com Alagoas, as diversas ações realizadas nos últimos anos em segurança pública tem ajudado a deixar a região mais atrativa para as empresas, aliado, claro, a já consolidada localização estratégica que favorece muito o âmbito da logística e um programa de benefício fiscal extremamente interessante”, esclarece Lucas Sorgato.

O diálogo construído por meio do fortalecimento das ações de segurança pública e redução da violência refletem diretamente no desenvolvimento econômico do Estado, em especial, sob duas vertentes. É o que salienta o secretário de Desenvolvimento Econômico e Turismo, Rafael Brito.

“Logo de cara, a retirada de Alagoas do ranking dos estados mais violentos do país tem refletido positivamente no crescimento do setor de turismo. É evidente que no momento de tomada de decisão para uma viagem de férias com a família ou amigos, a violência é motivo fundamental para que as pessoas escolham seu destino. O segundo ponto de influência da segurança pública é a atração de novas indústrias, já que qualquer empresário, seja dentro ou fora do país, não investe em estado que não consegue controlar sua violência”, destaca o secretário.

Fonte: Agência Alagoas / Texto: Rafaela Pimentel

Comentários

MAIS NO TH