Economia

23 de janeiro de 2017 15:37

Dólar reduz queda nesta segunda após chegar a R$ 3,15

No acumulado de 2017, a queda é de 2,06% até o dia 20

O dólar opera em queda nesta segunda-feira (23), chegando a cair ao patamar de R$ 3,15, sintonizado com o comportamento no mercado externo, após o discurso protecionista do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump na semana passada, segundo a Reuters.

Às 16h15, a moeda norte-americana caía 0,27%, vendida a R$ 3,1737.

Acompanhe a cotação ao longo do dia:

Às 9h09, queda de 0,47%, a R$ 3,1674
Às 10h09, queda de 0,62%, a R$ 3,1626
Às 10h19, queda de 0,71%, a R$ 3,1597
Às 11h, queda de 0,75%, a R$ 3,1584
Às 11h59, queda de 0,78%, a R$ 3,1574
Às 12h59, queda de 0,764%, a R$ 3,162
Às 13h59, queda de 0,53%, a R$ 3,1656
Às 14h49 ,queda de 0,44%, a R$ 3,1685
Às 15h19 ,queda de 0,03%, a R$ 3,1817
Às 15h49, queda de 0,27%, a R$ 3,1737

No intradia, a última vez que o dólar esteve na casa de R$ 3,15 foi no dia 12 de janeiro, segundo a Reuters.

“Em tom de cautela, os mercados iniciaram a primeira semana do governo Donald Trump com o pé no freio, refletindo as preocupações com a anunciada gestão protecionista a ser implementada por Trump”, informou a corretora Correparti em relatório a clientes, segundo a Reuters.

Trump assumiu o poder como o 45º presidente dos Estados Unidos na sexta-feira (20) e prometeu acabar com o que chamou de “carnificina americana” de problemas sociais e econômicos em um discurso inaugural que foi um clamor populista e nacionalista. Também reforçou o tom protecionista, mas sem entrar em grandes detalhes.

Nesta segunda, Trump assinou uma ordem executiva para iniciar a saída do país do Tratado de Associação Transpacífico (TPP, na sigla em inglês), negociado pelo governo de Barack Obama e visto como um contrapeso à crescente influência econômica e política da China.

O maior temor dos investidores é que Trump adote de fato uma política econômica inflacionária e protecionista, o que poderia obrigar o Federal Reserve, banco central norte-americano, a elevar ainda mais os juros. Se isso se concretizar, recursos aplicados em outras praças, como a brasileira, podem migrar para os Estados Unidos em busca de rendimentos maiores.

O patamar de R$ 3,15, segundo operadores, pode atrair compras e afetar o movimento de queda. “Nesse preço (do dólar), enxergo que muitos importadores podem fazer seus pagamentos”, destacou o sócio da corretora Omnix Vanderley Muniz.

No exterior, o dólar marcou a mínima em um mês e meio ante uma cesta de moedas nesta sessão, influenciado ainda pelo discurso de Trump. Também cedia frente a outras divisas de países emergentes, como os pesos mexicano e chileno.

Último pregão

Na sexta-feira (20), o dólar fechou em queda, cedendo pela 5ª semana seguida. A baixa se intensificou após o discurso de posse do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump. A morte do relator da Lava Jato no Supremo, ministro Teori Zavascki, também esteve no radar.

O dólar caiu 0,55%, cotado a R$ 3,1825 na venda. Na terceira semana do ano, a moeda dos EUA recuou 1,21%. No acumulado de 2017, a queda foi de 2,06%.

Atuação do BC

Internamente, contribuía para o viés de baixa do dólar a continuidade dos leilões do Banco Central de swap cambial tradicional –equivalentes à venda futura de dólares — com oferta de até 15 mil contratos para rolagem dos vencimentos de fevereiro.

“O swap reforça o viés externo de baixa da moeda”, comentou um operador de câmbio de uma corretora local.

Fonte: G1

Comentários

MAIS NO TH