Esporte

14 de julho de 2018 16:58

Protagonista na 1ª fase, VAR vira coadjuvante nos mata-matas

Árbitro de vídeo foi utilizado para tirar dúvida em 20 lances durante fase de classificação, mas não definiu nenhum jogo a partir das oitavas de final

↑ VAR deixou de ser protagonista a partir das oitavas de final da Copa (Foto: Reprodução)

O VAR, o árbitro de vídeo que revisa lances duvidosos da Copa, saiu do status de estrela da primeira fase para mero coadjuvante nos mata-matas. Nenhum jogo a partir das oitavas de final do torneio foi decidido com a intervenção do árbitro de vídeo.

“O VAR já está aceito. Funcionou. E eu estava cético. Mas os resultados desta Copa do Mundo foram muito positivos. Com o VAR, o futebol é mais transparente e honesto. Já é impossível pensar no futebol sem o VAR”, afirmou o presidente da Fifa, Gianni Infantino, em entrevista coletiva de avaliação da Copa.

Na primeira fase, os juízes recorreram ao árbitro de vídeo 20 vezes. Em 14 delas foi para tirar dúvida sobre a marcação de pênalti. Alguns jogos, o uso foi decisivo para o resultado final. Foi o caso da confirmação do gol de Iago Aspas para a Espanha no duelo contra Marrocos. O lance inicialmente havia sido anulado pelo bandeirinha.

No duelo entre Austrália e França, Griezmann sofreu pênalti que só foi confirmado com o uso do VAR. Lance similar aconteceu entre Colômbia e Senegal, quando a arbitragem anulou penalidade inicialmente marcada de Sánchez em Mané. No confronto entre Brasil e Costa Rica, Neymar teve um pênalti anulado após uso da imagem de vídeo.

Em alguns casos, o uso do VAR não anulou a interpretação do árbitro. Foi o caso da pretensa agressão de Cristiano Ronaldo no iraniano Pouraliganji. Após revisar o lance, CR7 recebeu apenas o cartão amarelo.

A dúvida para a final de domingo (15), entre França e Croácia, e a disputa do terceiro lugar, entre Bélgica e Inglaterra, neste sábado (14), é se o VAR voltará a ser protagonista da Copa.

Fonte: R7

Comentários