Cooperativas

17 de junho de 2021 09:17

Expedição ao município de Piranhas mostra como a apicultura pode transformar vidas

Chefs conheceram o processo de extração do mel, enxames, cultura da Caatinga e aspectos históricos e socioculturais da região

↑ Foto: Divulgação

O Sertão Alagoano tem diversos encantos. Seja na fauna, flora, gastronomia, cultura ou história, a região oferece experiências únicas, muitas delas ligadas a atividades como a apicultura. Pensando nisso, a Beeva, em parceria com o Sebrae Alagoas e Prefeitura de Piranhas, realizou nos dias 14 e 15 deste mês a imersão “Mergulho na Caatinga”, no município de Piranhas, levando diversos chefs para viver a região e mostrar todo o processo produtivo do mel – das colmeias ao envase e distribuição.

A Caatinga, que ocupa cerca de 11% do território nacional e 70% da região Nordeste, também oferece lindas histórias de vida. Uma delas, ligada totalmente à capacidade que a apicultura tem de transformar vidas, foi contada na propriedade de Cícera Alves da Silva, conhecida como Cícera Cupira. No Sertão, entre Piranhas e Olho d’Água do Casado, no povoado Ouricurizeiro, ela criou nove filhos e, a partir do sonho de ter uma geladeira e mais dignidade, conheceu a apicultura através do Sebrae Alagoas.

Hoje, Cícera Cupira é uma das grandes referências no Nordeste quando o assunto é criar abelhas. Para realizar seus sonhos, juntou dinheiro, comprou as primeiras colmeias em 2002 e conquistou bem mais que a geladeira.

Durante a imersão, levando os convidados para conhecer seu apiário e como é feita a extração do mel, dona Cícera revelou que foi pela apicultura que ela se transformou em uma empreendedora de sucesso, cursou Pedagogia, virou professora, fez pós-graduação e influenciou diversos pequenos produtores em vários municípios alagoanos.

Com o acompanhamento do Sebrae Alagoas, ela passou a receber consultorias e participar de eventos e missões em outros estados brasileiros. Dos primeiros quilos de mel vendidos no início da jornada, dona Cícera chegou a vender mais de duas toneladas de mel, somente no ano passado, incrementando as vendas para a Cooperativa dos Produtores de Mel, Insumos e Produtos da Agricultura Familiar (Coopeapis) e até para a própria Beeva.

“Agradeço primeiramente a Deus, às abelhas e depois ao Sebrae e ao seu Odério. Sem eles, eu não seria essa pessoa que sou hoje. Eu vivia de fazer carvão e criava nove filhos na seca. Hoje, tenho minha faculdade, minha pós, minha casa e meus filhos também. Ainda consegui ajudá-los a comprar uma casinha cada um”, afirma.

Os méis transformando mais vidas no Sertão

O seu Odério, citado por Cícera Cupira, trata-se de Afonso Odério Lima, conselheiro do Instituto Beeva, professor, pesquisador e proprietário do Apiário Altamira, localizado no município de Limoeiro do Norte/CE, onde Cícera Cupira teve oportunidade de se capacitar no início de sua trajetória como apicultora.

Durante a imersão, Odério, que é apicultor há 38 anos, explicou o processo de polinização e a origem de méis ofertados pela Beeva a partir da extração em colmeias no Bioma Caatinga e floradas específicas, entre elas a de plantas como jitirana e bamburral, além do mel caatinga silvestre. O professor também reforçou a importância da apropriação desses méis e a utilização deles em novos pratos pelos chefs e embaixadores presentes, para empoderar ainda mais pessoas.

“A apicultura me deu a possibilidade de contaminar positivamente várias pessoas, como a dona Cícera. Conseguimos capacitar e conscientizar mais de mil produtores analfabetos e semianalfabetos de Limoeiro do Norte e outros municípios do Ceará. Fizemos da região a maior produtora de mel do Brasil. Esse é o verdadeiro trabalho. Transformar pessoas é o nosso desafio”, pontua.

De acordo com a Analista da Unidade de Competitividade e Desenvolvimento do Sebrae Alagoas, Jacqueliny Martins, a instituição trabalha a cadeia de apicultura no estado há alguns anos, oferecendo capacitações sobre manejo, gestão financeira e outros temas. A parceria com a Beeva surgiu a partir da continuidade de desenvolver essa cadeia do campo à mesa.

“Nessa iniciativa da Beeva para fazer com os chefs conheçam como é produzido o mel e possam incentivar a utilização desse alimento nos pratos, todo mundo sai ganhando. Para nós, também é uma oportunidade mostrar o que já fizemos ao longo dos últimos anos e fazer com que as pessoas se sintam parte de tudo isso e, assim, passam a valorizar mais, trazendo o reconhecimento a partir do que os chefs podem utilizar em seus pratos”, conclui Jacqueliny.

Trazendo alguns dados do bioma Caatinga, Jatyr Oliveira, CEO da Beeva, enfatizou que o propósito da empresa é desenvolver o Semiárido Alagoano e brasileiro, mudando a vida das pessoas através da apicultura. Ele também afirmou que a empresa escolheu trabalhar com o mel da região não somente pela qualidade e variedade, mas também pela situação econômica das famílias.

“Escolhemos a caatinga pelo mel daqui, mas também pelo IDH. 95% dos municípios de toda a Caatinga estão no último nível do IDH. Vendo esses dados, me perguntei como poderíamos contribuir para mudar esse cenário? Vi que não podemos tirar o olhar do propósito de trazer o desenvolvimento sustentável para o semiárido utilizando a apicultura como uma das ferramentas. O nosso propósito é direcionar o nosso olhar para isso. Acredito que esse movimento pode ser disseminado por diversos canais para agregar ainda mais valor”, recorda.

Embaixadores Beeva

Marcelo Sampaio, influenciador, apresentador e curador do Programa de Embaixadores da Beeva, explicou que a ideia do projeto de embaixadores é potencializar o propósito da Beeva de desenvolver o semiárido brasileiro por meio da apicultura.

“O projeto de embaixadoria é algo muito motivador. Esses embaixadores são porta-vozes dessa excelência que a Beeva produz. Esse é um trabalho que agrega muito quando os embaixadores podem disseminar essa cultura. A ideia é trazer mais embaixadores e assim formar um grande exército de saúde, bem-estar e sabores”, pontua.

Com canais envolvendo gastronomia, saúde, esporte, comunicação e produção, o projeto convidou profissionais de algumas áreas com foco maior na área da gastronomia. Participaram da imersão, chefs renomados que atuam em Alagoas, como o chef Wanderson Medeiros, do Restaurante Picuí e Buffet WGourmet, e André e Vitor Generoso, do Restaurante Divina Gula. Além disso, o mergulho na caatinga também contou com chefs de estados como São Paulo, Bahia e Sergipe.

Uma das convidadas foi Simone Prado, chef do Restaurante Petit Bistrô, de Aracaju/SE. Ela destacou que a experiência foi bastante significativa, sobretudo ao apresentar a história de superação da dona Cícera e descobrir que, assim como o café, os méis têm suas safras e sabores específicos, além de movimentar a economia.

“Aprendemos não somente do ponto de vista técnico. Isso foi além do conhecimento sobre o apiário ou da Caatinga. Também aprendemos a importância de fazer tudo com o foco na sustentabilidade e como nós podemos ajudar essas famílias envolvidas na apicultura, para melhorar o sustento e dignidade delas. Vimos também o amor que o professor Odério tem por essas comunidades e que a Beeva e o Sebrae têm um papel fundamental para difundir isso com o olhar para a parte da sustentabilidade e da economia local, levando um mel diferenciado para o mercado”, disse.

Na jornada, os embaixadores também fizeram um passeio no Rio São Francisco, seguindo até o Povoado Entremontes, onde puderam conhecer a rica história do lugar e todo o seu casario, que já recebeu figuras como D. Pedro II e foi morada de Lampião. Lá, também conheceram a Casa do Bordado de Entremontes, a associação de bordadeiras, com o rendedê e o ponto-cruz, e a Igreja Nossa Senhora da Conceição.

Complexo Beeva

A imersão foi concluída com a visita à indústria da Beeva, no Povoado Riacho Velho, em Marechal Deodoro. Ao lado de uma Área de Preservação Ambiental (APA), a sede da Beeva foi construída com o pensamento voltado ao desenvolvimento sustentável, utilizando elementos do design biofílico e ‘net zero’, integrando o ambiente natural ao ambiente em que se vive e aumentando a eficiência energética.

Os embaixadores e convidados puderam conhecer a fábrica, maquinário, produção, unidade de processamento de pólen, própolis, mel e suplementação, além de sistemas sustentáveis de reaproveitamento de resíduos e laboratórios da Beeva.

Atendimento remoto

A equipe do Sebrae está mobilizada para atender as demandas dos empresários, que também podem contar com a estrutura de cursos online e gratuitos do portal EAD Sebrae com mais de 100 opções de cursos, basta acessar https://www.sebrae.com.br/sites/PortalSebrae/cursosonline.

O empresário pode entrar em contato com a instituição pelos canais remotos e digitais, como o portal sebrae.com.br/alagoas, telegram t.me/sebraealagoas, whatsapp e Telefone 0800 570 0800, chat e e-mail fale.sebrae.com.br, instagram @sebraealagoas, twitter @sebraealagoas, facebook /SebraeAlagoas, youtube @sebraealagoas e o linkedIn Sebrae Alagoas.

Fonte: Sebrae

Comentários

MAIS NO TH