Cooperativas

28 de dezembro de 2020 14:54

Cooperativismo e inovação: o modelo para aumentar a sustentabilidade do campo

Entenda como um modelo de negócio inovador pode gerar validação, desenvolvimento e implantação de novas soluções através da colaboração

↑ Digital Agro é o principal evento de inovação e tecnologia em agronegócio do país, perfeito para quem busca novas soluções e parceiros (Foto: Divulgação / Frísia)

O acesso a produtos e alimentos de qualidade nas grandes cidades somado à geração de empregos e oportunidades no campo é fruto do trabalho nas cooperativas.

Em meio a isso, o desenvolvimento de soluções para melhorar a qualidade da produção e a sustentabilidade são a base para a inovação no campo.

Com uma forma inovadora de se organizar, as cooperativas têm deixado para trás um modelo de negócio tradicional, para gerar ainda mais resultados ao segmento através da colaboração, como explica o coordenador de marketing da Frísia, Auke Dijkstra Neto:

“Quando a cooperativa é inovadora, ela gera valor para os seus associados, consegue ser mais competitiva, sustentável e lucrativa, distribuindo os resultados da inovação entre associados, clientes, colaboradores e parceiros”.

Além da geração de resultados, o compromisso da cooperativa agroindustrial com a inovação está ligada à busca por uma produção com cada vez mais qualidade e harmonia com o meio ambiente.

“A forma como a gente se diferencia é na busca constante por inovação, que torne o agronegócio mais sustentável, eficiente, capaz de usar melhor os recursos e assim produzir com mais qualidade. Para a Frísia, a inovação deve sempre andar lado a lado com excelência e sustentabilidade”.

E o desenvolvimento de novas soluções para o agronegócio começam a partir de uma cultura inovadora, que é o caso da Frísia. Auke explica que através da gestão da inovação, um time multidisciplinar consegue identificar as prioridades, além do que pode ser feito na cooperativa e com o apoio dos parceiros.

“Começamos esse ano aqui na Frísia um comitê de inovação, que nos ajuda a mapear as principais dores e problemas a serem tratados, além de funcionar como um filtro de ideias. A partir do processo de gestão, o comitê que conta com participantes de diversas áreas da cooperativa, identifica pontos, parceiros e oportunidades de inovação no mercado a serem exploradas”.

As quatro etapas de inovação na cooperativa agroindustrial

O movimento de inovação no agronegócio não fica restrito apenas às cooperativas, mas envolve todo o ecossistema no campo através de uma característica fundamental no desenvolvimento de novas soluções: a colaboração.

Segundo Auke, iniciativas de validação, desenvolvimento, apresentação e comunicação estão entre as quatro etapas que a Frísia aposta na promoção da inovação.

“Tem o Digital Agro Connection, que é o programa de inovação aberta que conecta a Frísia aos seus cooperados e a todo o ecossistema de inovação; a Digital Agro, nossa feira de inovação que aproxima a inovação aos produtores rurais e do público urbano em Curitiba; o Digital Agro Ideas, uma plataforma colaborativa onde as pessoas podem cadastrar ideias inovadoras relacionadas ao agronegócio; e por fim o Digital Agro News, uma página de conteúdo que fomenta inovação através de notícias, artigos e tudo o que há de novo no agronegócio”.

Na conexão com todo o ecossistema de agronegócio, a Frísia também está atenta ao movimento de tecnologia e novas soluções geradas nas startups, que tem se mostrado importantes aliadas para o desenvolvimento da inovação aplicada ao campo.

“Em nosso programa de inovação, buscamos também realizar a conexão com as startups. A gente abre a cooperativa para que as startups possam apresentar e desenvolver suas ideias aqui dentro. Hoje existem seis provas de conceitos sendo aplicadas por cinco startups, que estão na cooperativa e nas indústrias, validando suas soluções”
Ao identificar oportunidades dentro da própria cooperativa, a Frísia consegue por meio da inovação aberta, engajar startups, empresas e parceiros no desenvolvimento de novas soluções focadas como por exemplo melhorar a rastreabilidade da produção.

“Para o Agronegócio 4.0, precisamos ter os dados de toda a cadeia, da origem quando o produto é plantado, a colheita, e por fim a comercialização, e usar os dados gerados para aumentar a eficiência, qualidade e sustentabilidade dos alimentos tomando decisões mais assertivas”.

A Frísia investe cada vez mais em pesquisa e tecnologia a fim de promover inovação capaz de gerar dados consistentes, do plantio à colheita, melhorando o desempenho do agronegócio hoje e no futuro.

Fonte: Frísia / GShow

Comentários

MAIS NO TH