Cooperativas

10 de setembro de 2020 16:59

Usina em Ribeirão-PE inicia moagem após resultado de decisão judicial

Reativação deve gerar 2,7 mil empregos diretos e R$ 9,5 milhões em ICMS estadual com a produção de etanol

↑ Usina CooafSul, antiga Estreliana, em Ribeirão-PE, pronta para começo da moagem (Foto: Assessoria)

Canavieiros farão carreata amanhã em comemoração à posição da Justiça que garantiu o direito de uma cooperativa usufruir os créditos fiscais disposto em leis estaduais para a reativação das atividades da usina Estreliana a partir da próxima segunda-feira (14), que deve gerar 2,7 mil empregos diretos e R$ 9,5 milhões em ICMS estadual com a produção de etanol.

Nesta sexta-feira (11), dia em que o município de Ribeirão completa 92 anos de emancipação política, será realizada uma carreata de canavieiros e autoridades políticas da região pelas vias da cidade em comemoração a uma ordem da Justiça Estatual (TJPE) que favorecerá o desenvolvimento socioeconômico dos municípios da localidade pelos próximos anos através da reativação da antiga usina Estreliana na próxima segunda-feira (14). A unidade, que vai gerar 2,7 mil empregos diretos entre a fábrica e o campo, corria o risco de não mais reabrir depois que o Governo Estadual criou dificuldades para o cumprimento de leis fiscais em benefício da cooperativa de agricultores (CooafSul) responsável pelo arrendamento e a administração da unidade industrial.

A carreata está sendo organizada pela Associação dos Fornecedores de Cana de Pernambuco (AFCP) e pela CooafSul, entidade autora da ação judicial em trâmite na Vara Única da Comarca de Ribeirão. A instância judicial reconheceu, no último dia 2, o direito da cooperativa ao crédito presumido do ICMS sobre o etanol a ser produzido pela antiga usina Estreliana, em Ribeirão, na Mata Sul. Além da decisão na esfera judicial, a AFCP e a CooafSul também estão em tratativa sobre o assunto com secretários estaduais e diretamente com o governador Paulo Câmara.

Apesar da indefinição por parte do governo quanto ao cumprimento das leis 16.505/18 e 15.584/15 em benefício da CooafSul, válidas até 2022, tais legislações já atendem outras usinas cooperativistas por canavieiros em PE: a exemplo da Coaf (Timbaúba) e a Agrocan (Joaquim Nabuco). “Portanto, o Poder Judiciário faz justiça com a CooafSul e com o povo da região ao permitir o desenvolvimento socioeconômico também de Ribeiro e circunvizinhança através da reativação de mais uma usina em Pernambuco”, comemora Alexandre Andrade Lima, presidente da AFCP.

O dirigente lembra que somente por conta da aplicação dessas leis, a Coaf e a Agrocan já geraram R$ 61 milhões em ICMS diretos para os cofres de Pernambuco nos anos que moeram a partir da safra 2014/15. Quanto à moagem da CooafSul para a safra atual, a unidade fabril, que será a terceira usina cooperativista gerida pelos fornecedores de cana em PE, deve esmagar 550 mil toneladas e fabricar 45 milhões de litros de etanol.

Andrade Lima prevê que uma produção de 45 milhões de litros de etanol pela Cooafsul resultará em R$ 9,5 milhões de ICMS para Pernambuco. “Por outro lado, se a unidade ficasse fechasse e outra usina do estado se utilizasse da cana para fabricação de açúcar e 35% dessa produção fosse exportada, não ficaria nada de ICMS para os cofres públicos de PE, pois tem isenção total. Logo, os 18,5% de crédito presumido sobre o etanol para a CooafSul é fundamental para o progresso socioeconômico da região de Ribeirão e também para todo Pernambuco”, finaliza Lima.

Fonte: Assessoria

Comentários

MAIS NO TH