Cooperativas

23 de outubro de 2019 09:14

Semana Lixo Zero debate coleta seletiva e meio ambiente

Abertura foi realizada com palestras no auditório do centro universitário Uninassau

↑ Semana Lixo Zero (Foto: Átila Vieira / Secom Maceió)

A Semana Lixo Zero teve início em Maceió, na noite desta terça-feira (22), com discussões importantes sobre o consumo consciente, a coleta seletiva e os danos do uso inadequado do plástico e as consequências do seu descarte inadequado ao meio ambiente. A abertura foi realizada com palestras no auditório do centro universitário Uninassau, no bairro Farol, com a participação de especialistas nos temas abordados.

Iniciando o ciclo de palestras, a gestora ambiental Nathália Inez apresentou aos participantes o conceito Lixo Zero e as formas de reduzir o consumo no dia a dia como forma de melhorar a qualidade de vida da população e reduzir danos ao meio ambiente. Ela é embaixadora do Instituto Lixo Zero Brasil em Maceió e é a idealizadora da I Semana Lixo Zero da capital, que conta com apoio da Prefeitura na realização.

“O Instituto tem o objetivo de sensibilizar as pessoas para que elas possam começar a reduzir seu lixo e fazer o direcionamento correto daquilo que pode ser reaproveitado. Então faremos abordagens neste sentido de forma intensa para que a população possa ter essa consciência e comece a praticar isso até que se torne um hábito”, disse.

A I Semana de Maceió segue até o domingo, em locais espalhados pela cidade, com uma programação diversificada para ensinar as pessoas como separar seu lixo, fazer compostagem, além de oficinas e visitas técnicas. “Nosso objetivo é ensinar mesmo no sentido de reduzir e conscientizar ambientalmente sobre o conceito Lixo Zero, que colabora para uma cidade mais limpa”, completou a embaixadora.

A segunda palestra da noite foi sobre a gestão dos resíduos sólidos em Maceió, que é realizada pela Prefeitura, por meio da Superintendência Municipal de Desenvolvimento Sustentável (Sudes). Titular da pasta, Gustavo Acioli Torres apresentou as diretrizes do trabalho em relação à limpeza urbana e apontou dados, como o volume diário de coleta, as ações para redução do descarte inadequado de resíduos, o case de sucesso na implantação da coleta seletiva na capital, além da gestão da Central de Tratamento de Resíduos  (CTR).

“É uma honra para a Prefeitura de Maceió apoiar e difundir esse conceito por meio de ações conjuntas com o Instituto Lixo Zero Brasil, que agora colabora com o trabalho de educação ambiental em nossa cidade. É uma forma de disseminar e fazer valer o que preconiza as legislações e políticas ambientais, como a Política Nacional de Resíduos Sólidos, que Maceió vem trabalhado antes mesmo da regulamentação a partir da implantação da CTR, em 2010. A Semana tem uma programação ampla que vai tratar da educação ambiental em diversas vertentes, estimulando a redução do consumo, a reciclagem e a prática da coleta seletiva. Sem dúvidas, é um trabalho que a Prefeitura apoia incondicionalmente e seguirá em parceira com Instituto Lixo Zero Brasil”, destaca o superintendente Gustavo Torres.

A gestão de resíduos e a coleta seletiva também foram abordadas na palestra de Rennisy Rodrigues, que é pesquisadora e professora universitária. Ela esclareceu os conceitos do ponto de vista técnico, conforme consta na Política Nacional de Resíduos Sólidos, e também indicou os passos para a redução da produção de resíduos no dia a dia. Na sequência, com um dos depoimentos marcantes da noite, a presidente da Coopvila, Vânia Gomes, falou sobre o trabalho realizado em Maceió.

“Hoje vivemos uma realidade diferente. É um momento que resultou de muita luta e conseguimos concretizar a contratação de quatro cooperativas pela Prefeitura de Maceió. A maior parte dos cooperados veio do antigo lixão, eu e outros trabalhávamos lá e sofremos muito. Havia preconceito, muita exclusão. Hoje a situação  é melhor, embora ainda exista indiferença por parte da população. Nós somos trabalhadores e precisamos de respeito”, disse a presidente ao pedir a colaboração e reconhecimento ao importante trabalho executado pelos catadores.

A última palestra da noite foi proferida por Robson Guimarães, que é professor doutor da Universidade Federal de Alagoas (Ufal). Com o tema “Plástico nos oceanos: uma nova primavera silenciosa”, ele apresentou estudos mundiais e também nacionais que comprovam o dano do uso indiscriminado do plástico, bem como as consequências drásticas do descarte inadequado que afeta não somente a fauna marinha, mas também o ser humano e o meio ambiente como um todo em decorrência da dificuldade na decomposição do material e da própria composição química.

Encerrando a abertura do evento, o deputado estadual e presidente da Comissão de Meio Ambiente da Assembleia Legislativa de Alagoas, Davi Maia, reiterou a importância da implantação da coleta seletiva em Maceió e adiantou que, por meio do parlamento, tem atuado para expandir o trabalho nos demais municípios alagoanos que ainda não têm implantado. Maia concluiu chamando a atenção dos participantes sobre a problemática do surgimento das manchas de óleo no mar e o pleito junto ao Governo do Estado para ampliar a destinação de recursos provenientes do orçamento anual às ações de meio ambiente.

“O modelo de coleta seletiva implantado pela Prefeitura de Maceió é pioneiro e muito importante. Precisamos levar isso para todo o Estado, para fortalecer o debate e convencer, cada vez mais, pessoas a praticar. O debate sobre o meio ambiente é urgente e não pode ser deixado para depois”, finalizou.

A programação da I Semana Lixo Zero segue até domingo (27), com ações gratuitas, e pode ser conferida no Instagram do Coletivo Lixo Zero Maceió (@lixozeromcz).

Fonte: Secom/Maceió

Comentários

MAIS NO TH