Cooperativas

23 de outubro de 2019 17:05

Maceió será sede do I Encontro de Cooperativas Escolares de Alagoas

Evento ocorrerá na próxima sexta-feira e contará com a presença de cinco cooperativas escolares

↑ I Encontro de Cooperativas Escolares de Alagoas (Imagem: Divulgação)

No próximo dia 25 (sexta-feira) a capital alagoana sediará o I Encontro de Cooperativas Escolares de Alagoas. O evento é realizado pelo Sistema OCB/AL e participarão do evento cerca de 150 estudantes de cinco cooperativas escolares.

As cooperativas escolares participantes são: Cooperativa dos Estudantes Lucanos de Maceió (Coopelma), Cooperativa Escolar Inovar, Coopecicla (Cooperativa Escolar de Reciclagem), Cooex (Cooperativa Escolar de Xingó) e Cooepa (Cooperativa Escolar de Paulo Afonso).

O Encontro será realizado no Recanto Coração de Jesus, no Barro Duro, das 9h às 16h. A programação do evento contará com palestras sobre “Cultura para Integridade” com a professora Inez Borges, Redes Sociais com a assessoria de comunicação do Sistema OCB/AL, além do professor Ilton Filho falando sobre marketing pessoal e a Orquestra Filarmônica de Alagoas com apresentações de música.

Objetos de estudo

As cooperativas escolares são formadas por grupos de alunos que têm objetos de estudo para desenvolver trabalhos e assim praticar o cooperativismo. A Coopelma foi criada em junho deste ano e é formada por 60 alunos do Colégio São Lucas, em Maceió. O objetivo é trabalhar o cooperativismo, empreendedorismo e educação ambiental em aulas práticas de Ciências.

A Cooperativa Escolar Inovar, que fica no Colégio Inovar, em Atalaia, tem 35 alunos participantes e trabalha com três objetos de estudo: Brinquecoop, Cooperarte e Naturale. A Brinquecoop tem o objetivo de criar oficinas de produção de brinquedos e um espaço para alfabetização de crianças. A Cooperarte consiste em um site em que vários artesãos do Brasil poderão vender seus produtos. A intenção é trazer mais visibilidade e gerar renda. E a Naturale é voltada para produtos naturais e capacitação técnica.

A Coopecicla é ligada à Cooperativa Educacional de Penedo (Colégio Leonor Gonçalves Peixoto). Ela foi criada também este ano e conta com a participação de 25 cooperados. O objeto de estudo é a reciclagem de resíduos ou materiais que poderiam ser descartados no meio ambiente e a rentabilidade de alguns produtos.

Na Cooex são 30 estudantes cooperados. A cooperativa funciona na escola Convivendo, em Piranhas. O objeto de estudo é o ramo alimentício. Os alunos desenvolvem produtos para a comercialização de lanches em ambiente escolar. A cooperativa quer expandir a atuação para manipular e desenvolver produtos utilizando como matéria-prima insumos do sertão alagoano para produção de compotas e polpas de frutas. A Cooex também realiza trabalhos sociais como distribuição de sopas, arrecadação e doação de roupas para comunidade carente.

Já a Cooepa, que também foi criada este ano, tem como objeto de estudo a confecção e venda de bijuterias e doces. 20 alunos participam da cooperativa.

foto

Programação do evento (Imagem: Divulgação)

O Sistema OCB Alagoas acompanha essas cooperativas e faz um trabalho de orientação oferecendo cursos, palestras, missões e formações para estimular os estudantes. “É um suporte necessário para que as cooperativas escolares conquistem objetivos e metas. O cooperativismo deve ser ensinado e estimulado desde cedo. O aprendizado fará a diferença na formação desses jovens”, disse o presidente do Sistema OCB/AL, Marcos Rocha.

Um pouco mais sobre cooperativas escolares

O objetivo das cooperativas escolares é oferecer uma formação que contribua para o desenvolvimento de futuros líderes, gestores, empreendedores e cidadãos com senso de responsabilidade e participação por meio da vivência de um modelo cooperativo sustentável.

Essas associações de estudantes podem desenvolver atividades econômicas, sociais e culturais em benefício dos associados. Elas buscam formular uma proposta pedagógica com a participação do corpo discente em atividades práticas.

É uma transformação social e econômica na vida das pessoas que transcende as abordagens pedagógicas tradicionais. Os participantes só têm a ganhar com a promoção da convivência, respeito mútuo, solidariedade, justiça social, igualdade, autonomia e cooperação.

A inspiração para criar cooperativas escolares veio do trabalho do pedagogo francês Célestin Freinet. As experiências da cidade de Sunchales, que fica na província de Santa Fé e que também é considerada a Capital Nacional do Cooperativismo na Argentina, foram essenciais para o surgimento de mais cooperativas do ramo. Todas as instituições educacionais de Sunchales têm cooperativas escolares e 3% do orçamento anual da prefeitura são destinados para desenvolvimento delas. Projetos do Programa “A União Faz a Vida das Cooperativas”, do Sistema Sicredi, também contribuem na formação de cooperativas escolares.

No Brasil, o município de Nova Petrópolis, no Rio Grande do Sul, é considerado a Capital Nacional do Cooperativismo, onde são financiados projetos como os das cooperativas escolares. No Estado gaúcho, há mais de 100 cooperativas escolares em 43 cidades. Elas produzem diversos tipos de produtos como chinelos, sabão, sal temperado, entre outros.

Fonte: Ascom Sistema OCB/AL

Comentários

MAIS NO TH