Cooperativas

14 de outubro de 2019 17:06

Produção de energias renováveis para o cooperativismo é tema de workshop

No Brasil as principais fontes de energia, são: hidrelétrica (12,6%), petróleo (34%), gás natural (12,5%) e biomassa de cana (17,4%)

↑ (Foto: Reprodução)

A qualidade e o nível de capacidade de fontes energéticas são indicadores importantes do desenvolvimento de uma região. No Brasil, à medida que o país tem se modernizado, o setor energético tem se desenvolvido e, de acordo com o Balanço Energético Nacional 2019, no Brasil as principais fontes de energia, são: hidrelétrica (12,6%), petróleo (34%), gás natural (12,5%), biomassa de cana (17,4%), além de algumas outras utilizadas em menor escala, como a energia nuclear.

Devido aos impactos causados pelo uso de combustíveis para a produção de energia, o Brasil vem buscando a ampliação de sua matriz energética, investindo em fontes de energia renováveis, aquelas geradas a partir de recursos naturais capazes de se regenerar. Entendendo a importância desta busca, o Sindicato e Organização das Cooperativas do Estado da Bahia-OCEB, em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado da Bahia- SESCOOP/BA, com a Organização das Cooperativas Brasileiras – OCB e com a Confederação Alemã das Cooperativas – DGRV, realizou na última quarta-feira (9/10) o “II Workshop de Energias Renováveis para o Cooperativismo: As cooperativas baianas na geração distribuída de energia”.

O evento, que aconteceu na capital baiana, foi iniciado pelo presidente do Sistema OCEB, Cergio Tecchio, e contou com a presença da representante da Secretaria de Desenvolvimento Econômico do Estado da Bahia – SDE, Laís Maciel, que apresentou o cenário do setor de energias renováveis no estado e apontou os ganhos que as cooperativas têm ao abraçar a ideia. “Só em apresentar as oportunidades destes setores para os cooperados presentes, a gente já começa a difundir informações, e mostrar que é possível, sim, investir neste setor ou ter lucros com o uso deste setor. Como, por exemplo, uma cooperativa que implanta um sistema de energia fotovoltaica pode reduzir seus custos de energia através deste investimento, aumentando a possibilidade de vida da própria cooperativa”, afirmou.

Trazendo a experiência alemã em energias renováveis para o cooperativismo, a gerente de projetos da DGRV, Camila Japp, apontou a geração de energia compartilhada como uma opção de negócio possível na Bahia. “Com a mudança da regulamentação em 2016, que possibilitou que a gente gerasse energia em conjunto, apareceu aí uma enorme oportunidade para as cooperativas. Cooperativa de Energia Renovável já é uma oportunidade na Alemanha e a gente quer difundir essa oportunidade para todo o Brasil e para a Bahia que tem condições muito especiais”disse.

Nessa linha de energia compartilhada, o consultor da DGRV, José Zloccowick, apresentou como está se desenvolvendo esse mercado e as oportunidades e desafios que as cooperativas encontrarão ao investir em geração de energia fotovoltaica. “A energia renovável veio para ficar. Em todo mundo esse modelo é observado, tanto pelo empoderamento das pessoas e das instituições que passam a gerar sua própria energia e ter mais controle e responsabilidade sobre o seu consumo energético, quanto pelo mercado que passa a entender que o modelo centralizado aos poucos tem se diluído. É um modelo que tem um futuro promissor”, afirmou.

COOPERATIVISMO E ENERGIAS RENOVÁVEIS

Presente pelo segundo ano no evento, o analista técnico da Organização das Cooperativas Brasileiras – OCB, Marco Olívio, destacou que “a energia é insumo para o desenvolvimento. Quando falamos em produzir a nossa própria energia, além de economia estamos gerando negócio em nossas cooperativas. Isso é sustentabilidade e interesse pela comunidade”.

O evento proporcionou aos participantes, ainda, conhecer, de perto, dois cases de sucesso desenvolvidos dentro de cooperativas. Um deles, um case baiano, da Cooperativa Educacional de Barreiras, que utiliza energia solar de forma limpa e sustentável, e outro apresentado por Cristian Venturin, supervisor de qualidade da Cooperativa Agropecuária Regional de Campos Novos – Copercampos (SC), cooperativa pioneira na utilização de energia solar na região sul. “O primeiro passo para mudarmos a matriz energética, já que o sol está aí para todos. Sem custos, garantimos a sustentabilidade da cooperativa e também oferecemos esse benefício para os associados da cooperativa”, afirmou.

Fonte: Easycoop e Oceb

Comentários

MAIS NO TH