Cooperativas

11 de setembro de 2019 16:40

CPLA incentiva o crescimento dos produtores do semiárido alagoano

Chuva passou a ser uma visita constante nessas regiões, trazendo esperança

↑ (Foto: Assessoria)

O semiárido alagoano é a casa da agricultura familiar no estado. Após longos períodos de seca, os agricultores locais estão vivendo uma realidade diferente. A chuva passou a ser uma visita constante nessas regiões, trazendo a esperança para aqueles que dependem dessa condição climática para desenvolver suas atividades agrícolas. Essa é a realidade dos produtores da Cooperativa de Produção Leiteira de Alagoas (CPLA), que realizam seus trabalhos através da criação de gado e produção láctea.

Visando oferecer um suporte aos seus cooperados, a CPLA atua de forma frequente na procura por novos métodos de aprimoramento e atualização de seus produtores, ações que influenciam diretamente no crescimento econômico e social dessa classe que representa uma parcela importante no meio agrícola alagoano.

Com isso, a cooperativa participou do dia de campo “Forrageiras para o semiárido – pecuária sustentável”, promovido pela Federação da Agricultura e Pecuária no Estado de Alagoas (Faeal), no Parque de Exposição Mair Amaral, em Batalha, no último mês de agosto.

O evento apresentou as descobertas que estão sendo feitas sobre o uso da planta forrageira em áreas de baixos índices de pluviosidade, como uma saída para oportunizar a pecuária nas regiões semiáridas. Durante o estudo, estarão sendo testadas diferentes classes de forragens, para identificar aquelas que irão se adaptar aos tipos de solo do território.

Para o presidente da CPLA, Aldemar Monteiro, a pesquisa carrega uma grande relevância para os produtores locais, que depois dos períodos de seca já enfrentados, encontrarão alternativas para superar as futuras dificuldades trazidas com as mudanças climáticas.

“A cooperativa enxerga a importância dessa pesquisa para o desenvolvimento dos nossos cooperados. Através dela, eles poderão realizar um plantio adequado, identificando qual tipo de forrageira se adapta melhor ao seu terreno, mesmo nos períodos de pouca chuva. Essa é uma novidade que irá possibilitar a permanência do agricultor no campo”, afirma.

O projeto conta com a junção da agricultura com a tecnologia e está passando por processos de testes nas áreas do semiárido alagoanos. “A nossa visão é trazer os resultados para o campo, fazendo com que o produtor consiga realizar a prática dessa pecuária sustentável, possibilitando a geração de lucros e de produtividade”, assegura Aldemar Monteiro.

Fonte: Assessoria

Comentários

MAIS NO TH