Cooperativas

12 de março de 2019 19:44

Centro de conciliação na Cooperativa Sicredi realiza primeiras audiências

Objetivo é fazer com que os cooperados negociem suas dívidas com a instituição antes que as demandas cheguem ao Judiciário

↑ Advogado Elisvaldo de Lima firmou acordo com o Sicredi durante audiência nesta terça (12) (Foto: Adeildo Lobo)

O Centro Judiciário de Solução de Conflitos e Cidadania (Cejusc), inaugurado na Cooperativa Sicredi no dia 15 de fevereiro, realizou nesta terça (12) suas primeiras audiências de conciliação. O objetivo é fazer com que os cooperados negociem suas dívidas com a instituição antes que as demandas cheguem ao Judiciário.

O advogado Elisvaldo de Lima possuía um débito com o Sicredi e, durante audiência, conseguiu fazer acordo com a cooperativa. “Essa dívida me tirava o sono, mas, com essa iniciativa, vi uma oportunidade única de resolver os débitos. A partir de agora só fica em débito quem quiser”, destacou.

As audiências foram conduzidas pelo juiz Cláudio José Gomes Lopes. Segundo o magistrado, buscar a conciliação antes de iniciar o processo judicial é o melhor caminho. “É um acordo feito com a instituição financeira, onde o associado pode mostrar a sua situação e ver a melhor forma de quitar esse débito”, afirmou.

Para o juiz, a conciliação confere mais celeridade à resolução dos conflitos. “O método de conciliação é de extrema importância para as partes e para o Judiciário, porque a celeridade do processo é muito maior, por não precisar da formalidade de uma execução judicial. Além de ser uma forma de as partes construírem o melhor caminho para o acordo”.

No mês de março, as audiências serão realizadas todas as terças-feiras, pela tarde. A partir de abril, as audiências pré-processuais ocorrerão às segundas, quartas e quintas-feiras. Nas terças, serão feitas as conciliações de processos já judicializados.

De acordo com a gerente de relacionamento do Sicredi, Danielle Goes, a mediação e a conciliação possibilitam aos associados uma melhoria financeira, beneficiando também a cooperativa. “A gente tenta resolver da melhor forma. A pessoa chega, senta e conversa da melhor forma para ambas as partes”.

Fonte: Assessoria

Comentários

MAIS NO TH