Cooperativas

16 de abril de 2018 16:01

Maragogi é o primeiro município do Litoral Norte a encerrar o seu lixão

Lixão ficava localizado nas proximidades do Conjunto Dedas Paes

↑ Lixão de Maragogi (Foto: Assessoria do Instituto do Meio Ambiente de Alagoas)

Maragogi, principal destino turístico do litoral norte de Alagoas, se tornou o primeiro município da região a decretar em definitivo o encerramento do lixão, localizado nas proximidades do Conjunto Dedas Paes, que serviu de depósito dos resíduos urbanos nos últimos 20 anos. Foi em respeito à Política Nacional de Resíduos Sólidos que a prefeitura, através da Secretaria Municipal de Meio Ambiente, decidiu encerrar o lixão. Estiveram presentes na solenidade o prefeito Sérgio Lira e representantes do IMA (Instituto de Meio Ambiente) e do ICMBio (Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade).

Agora, como já vinha acontecendo, todo o resíduo sólido gerado em Maragogi será destinado ao Aterro Sanitário do município de Rio Formoso, em Pernambuco, através do consórcio público Portal Sul do Estado de Pernambuco. Conforme o convênio firmado, a prefeitura irá pagar um valor mensal de R$ 38.000,00 (trinta e oito mil reais), sem qualquer limite de peso. O consórcio público para construção de aterros sanitários é uma alternativa sustentável e economicamente viável para a destinação do lixo.

O Ministério do Meio Ambiente já orientou os gestores municipais nesse sentido, apresentando a experiência de vários municípios. Especialistas têm mostrado aos prefeitos experiências concretas de consórcios para resolver questões em comum entre vários municípios. O consórcio público facilita a gestão e reduz o custo, pois é mais viável ter um engenheiro para um grupo de municípios do que um para cada pequena cidade. Para o prefeito Fernando Lira não existe possibilidade de ter um turismo sustentável e ambientalmente correto com lixão, ainda mais a céu aberto. “Tomamos a iniciativa pioneira e fizemos esse contrato de um ano com o aterro de Rio Formoso até que tenhamos nosso aterro sanitário em Porto Calvo. Vai demorar, mas temos um ano garantido de levar nosso lixo duas vezes ao dia para Rio Formoso”, declarou o prefeito.

Mas um pequeno problema surgido foi com o destino dos catadores de lixo. Preocupada com o futuro desse grupo de trabalhadores que sobreviviam do antigo lixão, a prefeitura de Maragogi, através da Secretaria do Trabalho, Emprego e Geração de Renda, já se comprometeu em não desampará-los. Os 11 trabalhadores terão efetivados contratos temporários até a construção de um galpão, onde funcionará a cooperativa. O galpão será erguido na estação de transbordo, que é o ponto de transferência intermediária de resíduos que serão coletados no município, e posteriormente levados ao aterro de Rio Formoso.

No antigo lixão será feita a biorremediação, que é o processo pelo qual organismos vivos, como fungos, plantas, algas verdes ou suas enzimas são utilizados para reduzir ou remover contaminações no ambiente.

Fonte: Tribuna Independente / Claudio Bulgarelli - Sucursal Litoral Norte

Comentários

MAIS NO TH