Cidades

15 de janeiro de 2022 08:24

Academia Alagoana de Letras passa por ampla reforma em projeto de revitalização

Casarão histórico iniciou obras no começo de janeiro; trabalhos devem ir até meados de abril

↑ Sede passa por ampla reforma em projeto de revitalização de seu casarão histórico, localizado no Centro de Maceió (Foto: Edilson Omena)

Quem passa pelo charmoso casarão azul claro, que faz esquina com a Praça Marechal Deodoro, no Centro de Maceió, pode não imaginar, mas o prédio de janelas imponentes e portal de ferro na entrada do seu pequeno jardim tem importância imensurável para a cultura de Alagoas. Sede histórica da Academia Alagoana de Letras, por lá já desfilou boa parte dos nomes que forjaram a literatura feita no Estado. Fechado há quatro anos, agora passa por uma ampla reforma e está prestes a voltar a ser um charmoso abrigo para manifestações literárias.

A reforma foi iniciada no último dia três de janeiro e deve ser concluída em meados de abril. Um exemplo da importância histórica do casarão, é a presença de técnicos Do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) no projeto de reforma. Na ordem de R$ 180 mil, adquiridos a partir emendas parlamentares estaduais, a obra irá reformar telhado, reforçar a estrutura de paredes e ainda construir banheiros e uma rampa para a acessibilidade do visitante.

“Será uma ampla e necessária reforma. Iremos reestruturar o prédio, claro que sem modificação.  Faremos um novo telhado, reforçar estrutura de paredes internas e construir alguns itens necessários, como uma rampa para facilitar o acesso ao prédio. Por exemplo, esse prédio não tinha banheiro, em dias de reuniões e eventos, era uma grande dificuldade que tínhamos”, conta o presidente da Academia, professor e escritor Alberto Rostand Lanverly.

Ele faz questão de explicar os motivos que levaram aos quatro anos de fechamento do prédio e porque não foi feito nenhum tipo de reforma antes, já que o prédio assumiu nos últimos anos ares de abandono.

“A academia tem quarenta sócios e cada um contribui com R$ 200. Essa é toda renda para administração, pagamento de funcionários e contas de manutenção de um prédio. Então, houve questões de atrasos de impostos, verbas trabalhistas e até mesmo a manutenção necessária que um prédio precisa ter. Assim, para sanear a contabilidade da academia fechamos a sede, nos mudamos para outro edifício, que é a Casa Jorge de Lima, na praça Sinimbú. Mas o tempo todo estávamos de olho em viabilizar essa reforma”, conta.

Deputados e emendas

“Só depois que saneamos todas as contas, conseguimos as certidões negativas unto a todos os órgãos e fomos a procura de parlamentares e empresários eu podiam nos ajudar de algum modo. Tanto, que as emendas parlamentares que possibilitaram essa reforma foram de autoria dos deputados Inácio Loyola, Silvio Camelo, Flávia Cavalcante e Gilvan Filho”, conta o presidente da Academia de Letras.

Rostand Lanverly ainda explicou que a reforma do prédio é ainda uma primeira fase de um projeto maior de revitalização da sede história da Academia Alagoana de Letras. Depois das obras, o presidente pretende viabilizar o restauro dos móveis e a compra de equipamentos para a funcionalidade do casarão da Praça Marechal Deodoro.

“Precisamos dar funcionalidade ao prédio, até para que consigamos, com ele, gerar renda para a academia e assim podermos fazer as reuniões onde discutimos nossa literatura, eventos, saraus. Assim, precisamos restaurar móveis que fazem parte da história da academia, adquirir novos equipamentos como ar-condicionado, por exemplo. Essa é uma segunda parte da batalha que pretendemos iniciar tão logo a reforma seja entregue”, conta.

Fonte: Tribuna Independente

Comentários

MAIS NO TH